ESCAPES | DESBRAVANDO A SERRA #2

0

Comece ouvindo: Paul McCartney – Drive my car

Voltar para o Rio Grande do Sul para produzir esse roteiro foi ressignificar sentimentos e situações. Por mais que fosse uma viagem à trabalho, sempre acho que vivências são necessárias para mudarmos algumas pecinhas dentro de nós.

Ressignificar. Que baita palavra! Atribuir um novo significado a algo ou alguém é o melhor que a gente pode fazer, não só pelo outro, mas por nós mesmos.

Desbravar a serra foi também desbravar pedaços esquecidos dentro de mim. Chorei. Agradeci. Me reconheci em lugares de natureza selvagem. Percebi o quanto silêncio vale ouro em horas que palavras se fazem desnecessárias. Recebi abraços sinceros e apertados. Conheci gente  que vou levar para sempre comigo. Compreendi mais um pouco o verdadeiro significado de dedicação.

Lar não é onde a gente mora, mas onde a gente faz questão de criar raízes. Amigo pode não ser aquele de anos, mas aquele do momento. Somos feitos de momentos, afinal. Trabalho não é aquilo que te sufoca, o que te sufoca é outra coisa. Trabalho é aquilo que você realiza por prazer e o resultado te traz a certeza absoluta que enfim, você está no caminho certo.

Continue ouvindo:

A gente vive achando que já aprendeu, mas na verdade, a gente ainda não aprendeu nada. Queremos ter controle sobre tudo, e sabe, a gente não controla nada.

Essa viagem é um convite para você ressignificar atos e sentimentos. Talvez você não faça o roteiro, mas espero que você sinta tudo que eu senti quando estive por lá. Quero que conheça o Junior, que se encante pelo Thor, que curta o Suzuki Day, que aproveite o visual e que por fim, algo ganhe um ressignificado por ai. Por que nós somos assim, cheio deles.

Desbravei a serra em duas parte, a primeira você pode ver aqui. Nessa segunda parte os cenários trazem à tona a grandiosidade da natureza e o quanto somos pequenos como humanos.

Aproveite o caminho, o destino final é lindo! 😉

[ Fotografia por Juliana Manzato e Mario Nastri ]

C A M B A R Á   D O   S U L

Mario Nastri

Como expliquei na primeira parte do roteiro, usei como QG a Hospedaria Rio do Vento, que fica em Caxias do Sul. Lá foi o ponto de partida para todas as cidades que coloquei no roteiro. De Caxias do Sul a Cambará levamos cerca de 2h de viagem, já que são 136km de Serra. A estrada é boa, mas é necessário dirigir com atenção.

Cambará é uma cidadezinha que fica próxima a um dos cenários mais lindos do Brasil. Está localizada no meio dos descampados, mas próxima ao litoral gaúcho e na divisa com o estado de Santa Catarina.

Cambará é rústica, do jeito que eu gosto. Quem me apresenta a cidade é o Junior, da agência Cambará Tours. Junior é de Caxias do Sul mas se mudou para Cambará quando pequeno. Frequenta o parque desde os cinco anos de idade e diferente de muitos guias, não tem roteiro pronto, mas sabe absolutamente tudo sobre o lugar.

Da cidade, partimos para Aparatos da Serra, no Parque Nacional da Serra Geral, onde ficam as famosas encostas da Serra Geral. De Cambará do Sul até a entrada do parque são 23km.

Eu sabia exatamente tudo que queria conhecer nessa viagem, mas se eu te contar que só programei os dias quando cheguei em Caxias, você acredita? A história de não ter controle sobre nada é, além de real, perfeita para ser testada em viagens. É provável que tudo aquilo que você planejar milimetricamente, não vai acontecer.

Decidi segurar a ansiedade e não criar muita expectativa. Não queria me frustrar. Não lá.

Para se ter ideia, o inverno desse ano no Rio Grande do Sul foi mais úmido do que seco, inclusive com períodos relativamente grandes de chuva. Devido a essa condição climática, ir para Aparatos da Serra era fazer uma aposta. E eu fiz.

Escolhi fazer a trilha do Mirante, com 3,5 km de caminhada. Do mirante dá para ter visibilidade de quase 95% do cânion Fortaleza, e em dias de boa visibilidade, é possivel avistar o litoral.

Ah, para um passeio como esse a dica é roupa e sapato confortável! A caminhada apesar de curta, tem algumas subidas. Como venta bastante sugiro um corta vento ou blusa de frio. No dia da minha subida fazia em torno de 10º.

Mesmo com pouca visibilidade, devido a neblina, o visual é hipnotizante! A grandiosidade daquele lugar despertou em mim, além de mais respeito, uma conexão com a minha grandiosidade por estar ali.

Mario Nastri
Mario Nastri

Mario Nastri

Mario Nastri

E falando em ressignificar, esse carinha ai da foto é o Thor, filho do Mauricio. Falei mais sobre ele na primeira parte desse roteiro, você pode ler aqui.

Thor é um guri de 12 anos que faz questão de trazer a tona o meu lado mais jovem e por que não, maternal. Gosto de ter contato com pessoas de todas as idades, mas Thor desperta em mim algo diferente. É como se tivéssemos uma ligação, algo inexplicável. Ele me apresenta ideias e questionamentos que na maior parte das vezes eu nunca imaginei ter. Ele é destemido também. Gosta de aventuras, mas ao mesmo tempo é cauteloso com tudo, e todos. Sua visão de mundo é para o coletivo. Talvez por conta da sua geração, mas acho que isso vem também da educação mundana que seus pais fazem questão de apresentar.

Ele poderia ser meu irmão, mas também olho para ele e penso que se um dia eu for mãe, quero que meu filho tenha características similares a dele.

Thor trouxe ressignificado sobre o que é a maternidade para mim. E isso foi lindo. Talvez a maternidade até agora fosse algo como o cânion Fortaleza em dias nublados.

Ressignificado.

Cânion Fortaleza em um dia de sol. | Imagens por Cambará Tours
Cânion Fortaleza em um dia de sol. | Imagens por Cambará Tours
Mario Nastri
Mario Nastri

Depois do passeio pelo cânion Fortaleza, que durou o período da manhã, nossa parada para o almoço foi no tradicional Galpão Costaneira. Um lugar bem peculiar, roots e delicioso!

Inteiro de madeira e com mesas compartilhadas, o Costaneira tem pedaços de todo mundo que passou por lá, e eu explico. Apesar das mesas serem de madeira maciça, o espaço entre o tampão de vidro e a madeira é tomado por cartões de visita e guardanapos com recados.

Vale a visita e o olhar apurado nos recados deixados em cada mesa.

Mario Nastri

Como eu queria fazer o roteiro para carros 4×4, optei por só fazer uma das trilhas do Parque Nacional da Serra Geral, mas existem várias! Vale a pena dar uma olhadinha em todas essas aqui, Trilha da Pedra do Segredo, trilha do Vértice e trilha do Cotovelo. Você pode tirar dúvidas e ter mais informações sobre as trilhas com o Junior, o contato dele está no final desse conteúdo.

Próxima parada…

C A C H O E I R A   D O S

V E N Â N C I O S

A Cachoeira dos Venâncios fica em Jaquirana, cidadezinha próxima a Cambará do Sul. O trajeto de Cambará até lá demora em torno de 1h, numa estrada de terra. É na Cachoeira dos Venâncios que começa o roteiro 4×4!

A ideia de fazer um roteiro 4×4 foi justamente colocar o Jimny à prova! Já que além de algumas travessias, ele enfrentaria barro, subidas, descidas e terrenos hostis. O 4×4 da Suzuki foi bem, com suspensão elevada e snorkel, dois itens fundamentais para travessias em rios.

A Cachoeira dos Venâncios fica na Fazenda da Cachoeira, suas quatro quedas são alimentadas pelo Camisas, rio que nasce no Parque Nacional dos Aparados da Serra. O lugar além de incrivelmente bonito, é convidativo para contemplação e um belo pique-nique. Mas na entrada da fazenda é vendido um pastel de pinhão dos deuses. Vale provar!

Como está em uma propriedade particular, é cobrado o valor de R$ 10,00 por pessoa logo na entrada.

Aproveite a vista e a magia desse lugar único.

Mario Nastri
Mario Nastri

Mario Nastri
Mario Nastri
Mario Nastri
Mario Nastri
Mario Nastri

Mario Nastri
Mario Nastri
Mario Nastri
Mario Nastri

Mario Nastri

Mario Nastri
Mario Nastri
Junior, o super guia a frente do Cambará Tours. | Fotografia: Mario Nastri
Mario Nastri
Mario Nastri
Mario Nastri
Mario Nastri

PASSO DO S

Logo após contemplar a imponente Cachoeira dos Venâncios era hora de encarar a travessia conhecida como Passo do S, mas até chegar lá, prepare-se, é hora de cruzar riachos, descampados e enfrentar bastante lama.

O nome, PASSO DO S, vem do lajeado em forma de S no rio Tainhas, que mais a frente forma a maravilhosa cachoeira do S.

Para fazer esses passeios todos é necessário ter um 4×4, por questões de segurança mesmo. O passeio é um mix de adrenalina com momentos da mais pura comtemplação.

A Serra Gaúcha foi realmente abençoada!

Mario Nastri
Mario Nastri
Mario Nastri
Mario Nastri

Mario Nastri

E S T R A D A   D A   G R O T A

E  S U Z U K I  D A Y

Depois de me aventurar pelo roteiro 4×4 do Junior, do Cambará Tours, era hora de participar do passeio realizado pela Suzuki Brasil, o Suzuki Day.

Antes de contar sobre o Suzuki Day, eu queria te contar sobre a Estrada da Grota, que liga Caxias do Sul até Canela. É uma estrada fora das rotas tradicionais, e talvez por isso seja tão linda!

Igrejas, fazendas, casas, ponte de ferro, araucárias e um visual que só a Serra Gaúcha pode te oferecer. Fomos até o evento da Suzuki por essa estrada, ideia do Mauricio e da Bruna – aliás, que baita idéia!

Voltando ao Suzuki Day, o intuito do evento é reunir famílias e amigos para experiências incríveis em meio à natureza, com paisagens fantásticas, além de gastronomia e cultura local, muito off-road.

O roteiro partia de Canela, e percorria cerca de 60 km em estrada de terra com travessias, barragem e terminando no paradouro das barragens, que fica em São Francisco de Paula.

Foi a minha primeira experiência off-road! Estava num mix de ansiedade e curiosidade. Será que eu seria uma boa pilota?

Meu time estava demais! No banco do passageiro, Mario Nastri, o fotografo e cinegrafista que me acompanhou durante a viagem, e no banco de trás, meu fiel escudeiro e aventureiro, Thor.

Além das inúmeras risadas, foi um máximo aproveitar o roteiro com eles. 😉

Mario Nastri

Mario Nastri
Fotografia: Vinícius S. Ferraz
Fotografia: Vinícius S. Ferraz
Mario Nastri
Mario Nastri
Mario Nastri

Fotografia: Vinícius S. Ferraz

Fotografia: Vinícius S. Ferraz
Fotografia: Vinícius S. Ferraz
Mario Nastri
Mario Nastri

T E M P L O   B U D I S T A

E uma viagem com tantos resignificados não poderia terminar diferente, a visita ao Templo Budista de Três Coroas, cidade que fica aproximadamente 100km de Caxias do Sul.

O templo que foi construído por Chagdud Tulku, abriga vários outros templos. Como fica em uma região montanhosa, lembra bastante o visual do Tibet.

A Bruna havia me falado desse templo na outra vez que fui ao sul, mas por conta da agenda corrida, não consegui ir. Dessa vez não deixaria passar!

Fomos almoçar no famoso Espaço Tibet, o primeiro restaurante Tibetano do Brasil que também fica em Três Coroas. O ambiente é incrível, não parece Brasil. A comida é deliciosa! Ah, existem boas opções vegetarianas 😉

Passamos a tarde no templo. Foi mágico! Apesar de não ser budista me identifico muito com os ensinamos aplicados nessa cultura tão rica e intensa. A visita foi de uma paz absoluta! Aguçou ainda mais o meu olhar para suas cores. O som, das rodas de oração, pareciam tocar o coração.

Indescritível!

 

Muitas vezes deixamos de conhecer o nosso próprio país e cultura por acharmos que não existe nada demais por aqui. Quanto engano!

O Brasil é um país tão rico e tão mesclado, que acaba apresentando uma diversidade única, que não se encontra em nenhum outro lugar do mundo.

Desbravar a Serra Gaúcha me mostrou que é preciso ter muito mais do que coragem. É preciso estar disposto e aberto ao novo. Muitas vezes optamos pela zona de conforto ao invés de simplesmente ativarmos o nosso lado mais explorador.

Você pode até ler meu conteúdo até aqui, mas o que eu quero mesmo é que ele te inspire a viver a vida lá fora.

Desejo que você escolha sempre explorar novos lugares e que conheça novas pessoas. Que a minha #outdoorslife inspire a sua 😉

Obrigada Serra Gaúcha, foi um prazer!

INFORMAÇÕES ÚTEIS

– Expresso Caxiense | site: http://www.expressocaxiense.com.br

– Alpino Suzuki | instagram: @alpinosuzuki | Avenida Rubem Bento Alves, 3410, Bairro Universitário, Caxias do Sul.

– Rio do Vento – Hidroponia, Barlavento, Hospedaria | instagram: @riodovento_barlavento | RSC 453, km 154, Rota do Sol, Caxias do Sul.

– Ginasio de Escalada V10 + Bugio Eco | instagram: @v10_ginasiodeescalada @bugio_eco | Rua Visconde de Mauá, 390, Caxias do Sul.

– Restaurante Emporium 915 | instagram: @restauranteemporium915 | Rua Feijó Junior, 915, Caxias do Sul.

– Mississipi Bar | instagram: @mississippideltabluesbar | Moinho da Estação, 54, Caxias do Sul.

– Aventura Garage Wine e Vinicola Cainelli | instagram: @aventuragaragewine @vinicolacainelli | BR 470, KM 203,3, Bento Gonçalves.

– Era do Ventos | instagram: @era.dos.ventos | Caminhos de Pedra, Bento Golçalves.

— Cambará Tours | Instagram: @cambara.tours | Telefone: (54) 9.81505274

– Templo Budista | templobudista.org

– Espaço Tibet | espacotibet.com.br

*Desbravando a Serra é um conteúdo realizado pelo Cotidiano Dela em parceria com a Suzuki Brasil e Columbia Brasil

Juliana Manzato

Juliana Manzato

Apaixonada por amor, cachorros, textos e coisas inspiradoras.Adora fotografia, mar, sol, doce de padaria, verão e olhar o céu azul. Faz da vida poesia e textos. Muitos textos!Sonhos? Vive deles
Juliana Manzato

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.