Liberte-se aí, moça!

1

Leia ouvindo: Donavon Frankenreiter – Free

Hoje eu vim falar de mim. Falar de afeto, de coração grande e de receptividade. Vim falar de sonhos, de alguns planos interrompidos e de amizade. Vim falar de amores descabidos, paixões platônicas e energia. Vim falar de sexto sentido, de faro apurado e de mensagens desaforadas no meio da noite depois de umas tacinhas de prosecco a mais. Vim de você, de nós. Vim falar da vida, afinal. Vim falar da gente, vim falar de gente! Vim falar para você!

Moça, esqueça essa mania de achar que a vida tá pegando no seu pé. Esqueça o drama no potinho de sorvete que você tomou domingo. Esqueça o número do telefone do ex na barra da saia da balada. Esqueça as redes sociais e saia pra ver o sol. Toma um banho de mar à noite. Toma um drink sozinha também. Toma um chopp com as amigas e uma taça de bom senso. Toma uma atitude. Esqueça as regras. Faz por você. Solta as amarras invisíveis que te prendem ao que você nem sabe exatamente o que é.

6a4abe1884fdd4d17882f1aa88abfe7b

[ Imagem: reprodução ]

Esqueça as normas cordiais escritas de que a vida precisa fazer sentido demais, que você precisa racionalizar as escolhas, e que se qualquer coisa der errada a culpa é sua. O tempo que passa não volta, e passar ele todo remoendo os passos dados inebria o seu sorriso leve e o coração tranquilo. A gente está aqui para ser feliz. Bagunça o cabelo e se olha no espelho. Se olha por dentro!

Somos todas aprendizes, moça! Somos todas vulneráveis a homens de todas as espécies. Somos todas quentes em dias frios, e mornas em dias chuvosos. Somos todas manhosas e nos deixamos tocar facilmente por um cara que segura a nossa mão em meio à multidão. Somos todas meninas doces e mulheres guerreiras. Somos amantes efervescentes e filhas traquinas. Mas somos únicas também. O que mais nos diferencia umas das outras, é a capacidade que a gente tem de se permitir, apenas, ser o que se é!

Liberte-se aí!

Manu Berbert

Manu Berbert

Baiana. Tom de voz alto, personalidade forte e palavras firmes. Observadora do mundo, das pessoas e dos seus comportamentos. Os olhos apontados para tudo, mas o dedo geralmente apontado para si mesmo.
Manu Berbert

Últimos posts por Manu Berbert (exibir todos)

1 comentário

  1. verena Diz

    Super,mega adoro só textos desta baiana,que por sinal,por ironia do destino temos amiga em comum!
    Sigo vocês,todos os dias e super indico.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.