O QUE TE MOVE? ALMA OU EGO?

0

Leia ouvindo: Buena Vista Social Club – Tiene sabor 

Nesse mundo dinâmico em que vivemos somos, por muitas vezes, acionados por nosso “piloto-automático”,  esquecendo de olhar para dentro e entender quem movimenta nossas atitudes e pensamentos. Todos nós somos formados por ego e alma, e para atingir um equilíbrio entre eles é preciso passar por um processo de transformação.

O ego é nosso lado individualista, responsável por nossos medos e inseguranças (saúde, amor, relacionamentos, dinheiro, pertencimento, etc). Já a alma é nosso lado de coletividade, responsável por aflorar nossos propósitos de vida, nossas paixões, identificar e dar sentido a nossa existência.

Chegamos no ponto onde podemos parar, respirar e refletir em quais destes elementos estão baseadas as nossas escolhas. São aqueles medos de escassez e necessidade de sobrevivência ou na auto realização?

Fotografia: Juliana Manzato

Em geral, o sentimento de fracasso ou inferioridade, surge da comparação, e nesse jogo você certamente sairá frustrado. Jogos são do ego, percepções são da essência. Cada vez que você se compara, você dá um passo a frente para ser igual ao outro, e consequentemente, 3 passos para traz da sua verdadeira essência, daquilo que só você poderia ser para o mundo.

Lembre-se: só nós sabemos o que somos na essência e através do que sentimos atraímos tudo ao nosso redor. E mesmo com tamanha responsabilidade, por vezes culpamos o outro pelos nossos problemas. Isso é um sinal bem claro que ainda não sabemos quem nós realmente somos.

Estamos passando por um momento conturbado de disputa política. Apesar de muito ódio e intolerância espalhados por toda parte, é preciso alinhar-se com a paz. Independente do lado que você decidiu lutar e se identifica, é preciso silenciar o ego e olhar para dentro.

É preciso filtrar tudo aquilo que chega até nós – isso se aplica para alimentos, sentimentos ou pensamentos.

Nossas percepções e sensações serão determinantes na qualidade de nossas ações, pois cabe a cada um de nós a capacidade de determinar a leveza da nossa vida, e por que não, da sociedade em que vivemos! É hora de transformar o denso em sutil.

Assuma a responsabilidade pelas suas percepções, sentimentos e pensamentos; pelo seu poder e alquimia da felicidade para paz interna!

E como diria de Mário de Andrade em seu “O Valioso Tempo dos Maduros”:

(…) sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de cerejas.
As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam
poucas, rói o caroço.
Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.
Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflamados.
Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram,
cobiçando seus lugares, talentos e sorte.
Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir
assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha.
Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar
da idade cronológica, são imaturos.
Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram pelo majestoso cargo
de secretário geral do coral.
‘As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos’.
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência,
minha alma tem pressa…
Sem muitas cerejas na bacia, quero viver ao lado de gente humana,
muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com
triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua
mortalidade, caminhar perto de coisas e pessoas de verdade,
O essencial faz a vida valer a pena.
E para mim, basta o essencial!

Luciana Giorgi

Luciana Giorgi

CEO da própria vida, mãe de 2, irmã de 3, com vocação para ser feliz. Adora festa, gente, conversar, aprender, melhorar e compartilhar. Vivecada dia como um grande presente.
Luciana Giorgi

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.