#Quase30 | Por que insistimos em relações ruins?

0

Leia ouvindo: Gomez –  See the word 

Parece que mesmo com o passar dos anos, com algumas feridas ainda abertas e calos, escolhemos por muletas frágeis. As relações ruins.

Elas aparecem naqueles momentos de inquietude, onde existe uma bagunça danada na casa e a gente sempre acha que a visita não vai reparar. Até pode não reparar logo de cara, mas a tal bagunça que você pediu para não botar reparo, parece incomodar.

Mesmo fingindo não ser tão ruim assim – afinal de contas, quantas qualidades o outro tem? Muitas. Vamos lá!  – nos apoiamos na tal muleta, que por hora, parece segura. O problema é depois, sempre depois.

Fotografia: Juliana Manzato

Na relação ruim a gente aprende a viver o agora, sabe? Vamos vivendo os dias sem pensar no depois. E assim acumulamos de baixo do tapete mais sujeira.

Insistimos achando que a muleta se tornou pilar de sustentação e em plena areia movediça, nos deparamos com a sua incrivel capacidade de instabilidade. E ai começa o jogo de culpa, como é que você deixou chegar nesse ponto?

Mas foi o outro. O problema é sempre a muleta e não o lugar que VOCÊ decidiu apoiá-la.

Quem foi o responsável pela ação? Se analisar bem vai ver que a ação começou em você, quando permitiu que o outro entrasse na sua vida. Claro, você não sabia que seria assim. Ninguém sabe. Mas nos sabemos quando é o momento de ter alguém realmente especial.

Mesmo o mais intimo amigo não merece ir na sua casa bagunçada. E mesmo assim, se ele for, será para te ajudar a arrumar a bagunça, não tomar café em copo plástico porque a pia de louça está suja.

Sabendo que somos responsáveis pela maneira como nos sentimos, por que então insistimos em trazer para a nossa vida pessoas que não fazem sentido naquele momento? Por que precisamos abrir a bagunça para quem tambem deve estar bagunçado?

É desonesto com o nosso tempo, é injusto com o outro. Se somos responsáveis por tudo aquilo que atraímos, poxa vida, é preciso não só arrumar toda bagunça, como devemos rever com prioridade nossa realidade.

É provável que não exista uma boa resposta para a pergunta do título acima, afinal de contas, todas nós, vez ou outra caí na tentação de relacionamento ruim.

Se analisar direitinho dá para encontrar não só respostas, mas outras tantas perguntas dentro de você. Às vezes a gente não precisa de nenhuma reposta, a gente precisa mesmo mudar as perguntas.

Juliana Manzato

Juliana Manzato

Apaixonada por amor, cachorros, textos e coisas inspiradoras.Adora fotografia, mar, sol, doce de padaria, verão e olhar o céu azul. Faz da vida poesia e textos. Muitos textos!Sonhos? Vive deles
Juliana Manzato

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.