A fio

Leia ouvindo: Eddie Vedder – Hard Sun

Sempre tive fé, apesar das dúvidas rodearem meus pensamentos. Acho que as dúvidas são necessárias para se encontrar certezas. Nessa história de fé, como sempre acontece, vem o destino e mostra que pequenos milagres acontecem debaixo da ponta do nariz e, claro, passam despercebidos.

Ele chegou todas as vezes que eu quis ir. Como num passe de mágica, ele se aproximava todas as vezes que eu mais precisava e que por ironia quis fugir, de mim e da vida. Ele também aparecia para me irritar, pegar meus brinquedos, roubar as batatas fritas do meu prato, me trancar no guarda roupa e me fazer ir correndo para o colo da minha mãe. Desde pequeno ele sabe me irritar como ninguém.

Depois de adultos ele continuou me irritando e fazendo as brincadeiras mais sem graça possíveis. Nos encontramos em uma viagem pela Califórnia, não fazia ideia de que ele estava lá. Aconteceu quando eu menos imaginei, óbvio que com apoio de tequila e amigos mexicanos em comum.

42c1fa313a404de92b49e312bb578096

[ Imagem: reprodução/Pinterest ]

[ Anota aí: o destino não falha e o mundo é um lavabo mal frequentado! ]

É, mãe, quando você me contou aquela história dos fios ligados entre as pessoas, era de verdade. Eu não acreditei, na verdade, fica difícil acreditar quando tudo sempre acaba sendo um pouco trágico. Pois bem,  pode demorar o tempo que for, mas quem tiver que ficar, fica. E você também tinha razão quando me disse que existia grandes chances de ser amor quando eu te contei sobre a minha irritação com ele.

Tudo me levava a ele, era óbvio! Os amigos em comum, a amizade entre as famílias, os lugares que frequentamos, o estilo de vida, os ideais de vida, enfim, ele sempre foi aquela pessoa que mais briguei e que hoje não vivo sem.

Os acasos me levaram de volta para você. Aquele dia regado a tequila me fez ver você. Os encontros marcados me fizeram ter certeza que era você.

Mil e tantos caminhos percorridos para descobrir que, no final, o cara que eu tanto esperei estava ali, do meu lado, me irritando desde criança. Faziam todo sentido as crises de ciúmes e proteção por parte dele. As discussões com caras da faculdade que estavam a fim de mim e os cuidados que teve nos meus piores porres. Tinha que ser ele e nenhum outro. O sentimento vazio, caras errados, namoros sem tempero, escolher ficar solteira por muito tempo e todas aquelas decisões sem pé nem cabeça também me levaram até ele.

Lembra daquelas histórias dos pequenos milagres? Eles podem até demorar, mas fique atenta, o universo conspira a nosso favor até quando a gente nem imagina. E se quer saber, milagres acontecem quando a gente não duvida.

Juliana Manzato
Últimos posts por Juliana Manzato (exibir todos)

Juliana Manzato

Apaixonada por amor, cachorros, textos e coisas inspiradoras. Adora fotografia, mar, sol, doce de padaria, verão e olhar o céu azul. Esportista. Feminista. 80 porcentista. Irônica eu? Imagina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo