A última dose do seu veneno

Leia ouvindo: Cold Is The Night – The Oh Hello’s

A quem eu quero enganar com esse choro soluçado? Todo esse estrago que hoje me causa sofrimento foi premeditado. Desde o primeiro minuto em que encarei os seus olhos, meu coração já tinha certeza de que você seria o novo furacão que devastaria a minha vida. Entretanto, quem resiste a tanto fogo e a tanta paixão? Como dizer não às suas promessas que não alcançavam um futuro em longo prazo, mas que transformava qualquer presente em um grato e enlouquecedor pacote de alegrias? Eu sabia que não nos casaríamos, sabia que não tinha remédio que curasse a sua canalhice.

Fui alertada, muitos disseram que depois do primeiro gole de você, seria difícil voltar atrás. E cá estou eu, encolhida em meu sofá bordô, segurando a nona taça daquele vinho que você tanto gostava, sozinha, ciente de que nesse palco você nunca mais pisará. Acabou o show, fecharam as grandes cortinas. Você, nesse exato momento, corre para iniciar a sua nova turnê, com novas atrizes, outras cenas, mais algumas poesias. Eu estou fora do elenco, agora eu sei bem disso!

8293

[ Imagem: reprodução ] 

Peguei meu pensamento passeando longe, indo pra bem perto do arrependimento e o obriguei a caminhar de volta pra nossa casa devastada. Eu sabia, nós – eu e meu coração – concordamos em viver essa aventura. Meus olhos se fecham e flashes invadem a minha memória: a viagem inesperada pro interior, todo o amor e loucura que vivemos por onde passamos, os muitos goles de uma bebida forte, as tantas poesias que você espalhava pela casa antes de sair pra trabalhar. As longas horas que passávamos deitados na sua cama, olhando as fotos de todas as aventuras que você já tinha vivido. Inconscientemente, naquele momento, algo em mim sempre gritava a certeza de que, em breve, eu também estaria ali, registrada e guardada como lembrança.

Nada ficou no lugar, mas eu não vou quebrar nada, xícaras ou coisa alguma. Você disse, sem medo, que precisava seguir caminho, que seu coração não cria ninho e que me agradece pelas belezas que vivemos. Disse que estávamos indo longe demais, saiu porta a fora, não olhou para trás. Amor talvez tenha muito mais a ver com um jogo de azar do que estratégia! É preciso arriscar alto e, em muitas vezes, lidamos com o desconhecido que são as cartas do outro jogador. Eu pensei que tinha boas combinações nas mãos, uma técnica exemplar e o coração fora da disputa. Ledo engano!

Pra amar de verdade, é preciso escolher e ser escolhida todos os dias. Mirando meus próprios olhos rasos d’agua que refletem no cristal dessa taça meio vazia, dou a mim mesma a cruel cartada final e digo alto, pra não sobrar dúvidas: você não foi a escolha dele! E num único gole, bebo o tóxico drink de vinho, lágrimas e abandono. Sem mais ressentimentos. Aprendi com a vida que sem os pontos finais, não existiriam jamais novas histórias. Muito mais do que em amor, meu vício se resume em amar. E disso eu não me permito arrepender jamais. Quem nunca amou sozinha que atire a primeira rosa! É sangrando que se reconhece a vida que pulsa em meu ser. A dor é que, hoje, me leva além de mim! Adeus, rapaz!

Você foi o doce veneno que eu escolhi para morrer sem sentir!

Mayra_2015

Últimos posts por admin (exibir todos)

admin

3 comentários em “A última dose do seu veneno

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo