A vida organizada em caixinhas

Você é amigo, você é amor, você é uma foda, você é um flerte, você é peguete, você é um amor peguete, você é relacionamento. Eu tento organizar assim o meu compartimento do cérebro no que diz respeito à relacionamentos.
Nem sempre é fácil, sendo mulher e sendo geminilouca, digo que é muito difícil organizar quem a gente se relaciona nas caixinhas cerebrais pré estabelecidas. Quando chega a TPM fica tudo uma mistureba e pior que cesto de roupas a espera do dia de lavação da roupa suja.
e761a65c114fae108bf6ca796a9ca31b
[ Imagem: reprodução | Pinterest: Cotidiano Dela ]
Digamos que dos 30 dias de cada mês, 20 dias as caixas se mantém numa lógica de organização.
Isso facilita a minha vida, não sei a deles.
Isso facilita a minha vida, já não sei se ao romance e a esperança de um relacionamento. Mas isso previne que eu mesma desmorone.
A lógica é difícil, mas tente acompanhar.
Quando alguém novo entra na vida, automaticamente já selecionamos se é amigo ou amor. Certo. O interesse desperta. A pupila dilata. A pele arrepia.
Primeira conversa já sabemos se vai ser só um flerte, uma foda ou vai virar peguete. Aquele que a gente salva o contato na lista de telefone, chama para almoçar, ir ao bar e ser feliz por alguns minutos ou dias.
Se virou peguete, aí vem a parte mais difícil. Amor peguete ou relacionamento.
Dos dois últimos é mais difícil de resolver, mais por minha culpa. Pois o ser tem que virar amor peguete para depois virar relacionamento e pra isso, meu caro, tem que conhecer família. O que pra mim é muito difícil. Não sou de colocar meus pais em furadas e só tem uma pessoa que me relacionei nos últimos cinco anos que os conheceram, mas não por culpa minha, nem dele, mas da vida. Já que o ser é amigo da amiga das minhas irmãs.
Bom, não sei se a vida organizada em caixinhas é boa, mas para mim anda sendo a mais sincera.

gaziantep escort bayan

antalya escort bayan

seks izle

antalya escort bayan

Luiza Pellicani
Últimos posts por Luiza Pellicani (exibir todos)

Luiza Pellicani

Jornalista que perdeu o filtro quando nasceu. Fala e faz o que dá na cabeça. É apaixonada por jornalismo, escrita, música, vida e por pessoas. Balada é comigo. Cinema é comigo. Netflix é comigo. Família é comigo. Nos amores, aproveite, as coisas podem mudar. E não esqueça, máxima do 8 ou 80 não funciona comigo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo