ABRACE SUAS AVENTURAS

Leia ouvindo: Marian Hill – One Time

Essa mania de não se apegar. Ela cansou de fazer apostas, também pudera, o amor foi jogado ao vento, salve-se quem puder. Ela sabe o quanto admirável é, por isso escolheu pela vida de aventuras. Como num jogo de video game, onde as fases precisam ser completadas por um único personagem.

Ela aprendeu a viver com o desapego, principalmente daqueles que não valem a pena. Ela se diverte com as possibilidades, mas ainda prefere não ter certezas. A vida só anda agitada demais para dividir o sossego com alguém. Muitos a julgam, e ela, com tal jogo de cintura, desvia de cada comentário ou grosseria para seguir pelas tortas e emocionantes curvas da estrada. Ela sabe aquilo que ela pode ou não levar em consideração.

Escolher uma vida de aventuras, pelo menos por um período, é para os fortes. Ninguém acha que pode viver na aventura, até que se apaixona por vivê-la. Uma real liberdade para viver as histórias que quiser. Criar oportunidades e se jogar pelo mundo sem se preocupar em cuidar coração partido ou despejar expectativas em pessoas que não saberão o que fazer com elas.

Paulo Manzato Jr.

 

Optar pela aventura é estar com o coração inteiro. Só aguenta o ritmo quem tem o amor próprio e a maturidade para entender e sustentar certas escolhas. Para a vida de aventuras é necessário um alvará de renúncias. É quase que obrigatório renunciar o padrão para seguir pelas linhas tortas.

[ Deus também escreve nelas, lembre-se bem disso.]

Por fim, aos aventureiros, meu respeito. Um respiro, um suspiro e um abraço apertado. O espirito livre ficou por aqui, nada que me prenda vai me fazer bem. Quem me encontrar por ai, vai saber o gosto da minha liberdade e  saberá também que existe uma vontade imensa de ter outro coração pulsando quando eu voltar.

Gosto da liberdade em altas doses. O coração antes quebrado, foi recuperado com louvor. Gostamos de intensidade e viver o presente. Isso aliás foi um grande aprendizado, intensidade usada sem moderação e abraços apertados nas expectativas próprias. Zero decepção. Esse período de aventura é redenção.

Viver a aventura significa valorizar a estabilidade. Continuamos na corda bamba, mas agora, com o equilíbrio do corpo, alma e coração. Não brincamos mais de bêbados equilibristas. Não aceitamos o mais ou menos, queremos o inteiro. Já tivemos muitas fraturas expostas e recuperação lenta. A aventura te faz mais forte e melhor, para aceitar e agradecer o que esta por vir.

Juliana Manzato
Últimos posts por Juliana Manzato (exibir todos)

Juliana Manzato

Apaixonada por amor, cachorros, textos e coisas inspiradoras. Adora fotografia, mar, sol, doce de padaria, verão e olhar o céu azul. Esportista. Feminista. 80 porcentista. Irônica eu? Imagina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo