AMIZADES NA VIDA ADULTA

Leia ouvindo: Handmade Moments – I Feel Good 

Você já parou para comparar a força dos vínculos de amizade que criou na vida adulta com aqueles que criou no período da infância e da adolescência? Quando tempo eles duraram? São amizades sólidas e de longa data ou foram passageiras? Você ainda tem grandes amigos de infância presentes na sua vida?

Essa foi uma reflexão que fiz a algum tempo atrás e com alguma recorrência ela volta porque preciso constantemente criar novos vínculos mudando tanto de país. Sou daquelas pessoas um pouco tímidas de início mas sempre tive muita facilidade em fazer amizades. Percebi que com a idade avançando, principalmente depois de sair da faculdade, comecei a ter um pouco mais de dificuldade em criar vínculos fortes, daqueles que você considera como família, e se será só de passagem.

ilustração: imposteuse

Obviamente que verdadeiros amigos são poucos e se contam nos dedos de uma mão. Tenho grandes amigos que fiz já como adulta, mas também observei que a probabilidade de criar vínculos profundos depois de uma certa idade diminui (claro que isso é uma experiência pessoal). Muito provavelmente porque quando somos jovens e não temos tantas preocupações com trabalho, filhos, relacionamento, as amizades são uma das coisas mais importantes na sua vida. Existe tempo para ligar pros seus amigos, se encontrar com eles, passar tempo juntos e criar experiências que fortalecem os laços.

E aí chega o momento em que sua vida se preenche com outras coisas. As responsabilidades de se sustentar, de cuidar de uma família que você construiu, por exemplo. Mas e quando algo acontece e você perde o emprego, o relacionamento acaba, os filhos vão viver a vida deles. O que resta?

Muitas pessoas não podem contar com a própria família para esse suporte porque existe uma história profunda de conflitos onde a confiança pra se abrir e desfrutar da companhia não é possível. Os amigos acabam sendo a família que você escolheu e que servem de apoio para que você consiga se reerguer. Para mim, manter esses laços e estar aberta a outros novos é algo de extrema importância, principalmente sendo filha única e morando longe da família e de grandes amigos.

O quanto você tem se dedicado aos seus amigos antigos e a fazer amigos novos?

Juliana Cambiucci
Últimos posts por Juliana Cambiucci (exibir todos)

Juliana Cambiucci

Caipira do interior paulista, tradutora, com sede pela liberdade e rodinhas nos pés. Apaixonada por natureza, animais e atividades ao ar livre. Buscando viver de uma forma mais leve, seja na alma ou na bagagem carregada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo