Amor de mão dupla

Leia ouvindo:  Maroon 5 – Sunday Morning

Acordei, olhei pela janela e decidi não levantar. Mais uns 5 minutinhos resolveriam. Esqueci por um tempo onde eu tava, porque continuava a viver, mas um ruído de respiração ao lado me trouxe de volta à superfície.

Não é como se eu não pudesse viver se ele não estivesse ao meu lado, mas eu simplesmente não queria ir em frente sem sua companhia. Por vezes, eu chegava a acreditar friamente que não havia sensação melhor no mundo do que a de acordar e vê-lo ali, vulnerável e completamente alheio ao mundo acordado.

O amor é difícil de explicar. É peculiar a invasão que ele causa em cada pedacinho do nosso corpo, da nossa casa, da nossa alma. Um dia você está completamente oco, com espaços sobrando na cabeça e no coração, e ele vem como uma enchente que arranca todas as coisas do lugar. Muda tudo.

{ Imagem reprodução }
{ Imagem reprodução }

Eu o amava. Talvez mais do que pudesse amar a mim mesma. Tinha vontade de admira-lo toda hora. Dizia vinte vezes ao dia que o amava, e a melhor parte era que ele me dizia vinte e uma. Sempre adormecia depois de mim, e abençoava o meu sono com o mais doce dos beijos e o mais melodioso “eu te amo” que eu já ouvira.

A gente sabe quando o amor é falso, mas sabe mais ainda quando é verdadeiro. Genuíno. Eu sabia que tudo que eu sentia por ele voltava diretamente dele pra mim, e sinceramente? Nunca havia sorrido tão honestamente. Ainda, nunca havia contemplado tamanha legitimidade no sorriso alheio.

É bom amar. Sem medo, com liberdade, libido e libertinagem a dois. É bom demais amar.

Assinatura_Bia

Bianca Carvalho
Últimos posts por Bianca Carvalho (exibir todos)

Bianca Carvalho

Uma carioca branquela, bagunceira e desbocada. Uma mulher questionadora, inquieta e expansiva. Uma amante do mundo, dos cachorros e de pessoas apaixonadas pela vida.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo