Aprendi a gostar de pontos finais.

por @JulianaManzato

Existiu um tempo na minha vida em que encerrar ciclos, partir para o novo e colocar pontos finais em histórias e acontecimentos era um verdadeiro dilema. Insegurança e medo pareciam andar lado a lado comigo. Quem me vê escrevendo esse tipo de coisa, me imagina uma velha. Tenho que confessar que fui uma velha até pouco tempo. Hoje me resolvo e aproveito muito bem os meus 23 – quase 24 anos!

O medo e a insegurança são para gente velha, velha de espírito quero dizer. Se você dá a mão para aqueles dois, esquece. O novo não vai vir, o mundo não vai girar e a sua vida vai parar.

Aprendi a gostar do ponto final. Colocar o ponto, para mim, é encerrar um ciclo para começar outro com mais fôlego, novidades, desafios e uma pitada de inseguranças, por que não? Comecei a trocar a famosa virgula, por “resolvidos” pontos finais.

Quando coloco um ponto final o medo automaticamente se transforma em um desafio, e como eu gosto de desafios…

O medo não te leva a lugar nenhum. O desafio te leva para o mundo.

Quem tem medo de amar nunca vai saber o que é ter borboletas no estômago. Quem tem medo de altura nunca vai saber o que é se sentir livre pulando de paraquedas. Quem tem medo de colocar um filho no mundo nunca vai saber o que é ser mãe.

O Medo dá a mão para virgula. O desafio abraça o ponto final. É um respiro, dá fôlego e te dá o mundo! Acredite.

Últimos posts por admin (exibir todos)

admin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo