COMO DEVE SER

Leia ouvindo: Iron & Wine – Naked as we came 

Demora um bocado de tempo mesmo, e as vezes a gente precisa remexer aquela caixinha chamada passado para ter certeza que tudo aconteceu e acontece exatamente como deveria.

Quando a gente se liberta de pesos, dúvidas e histórias, a caixinha do passado não passa de recordação. Vai servir para rever histórias, mas sem criar identificação com ela. Me permito dizer que as vezes você vai custar acreditar que viveu tudo que viveu, como viveu.

Hoje tenho certeza que a minha “eu” de 10 anos atrás tinha que viver todas as descobertas e incertezas que viveu para que essa “eu” aqui escrevesse esse texto. Somos a mesma pessoa, mas olhar para ela com essa empatia é mágico.

Fotografia: Juliana Manzato

Fazer as pazes com o passado é a dádiva para seguir em frente com o coração em paz. É ter certeza que tudo aquilo que está por vir também vai acontecer do jeitinho que tem que ser. Nem mais, nem menos. E novamente você vai olhar para trás, vai se abraçar e agradecer por absolutamente tudo.

Amadurecer é entender que não temos controle sobre absolutamente nada e não há problema algum nisso. Nos escolhemos como vamos nos sentir. Frustados ou felizes o trabalho é o mesmo, a diferença é que um traz bem estar, enquanto o outro te devora com a culpa.

É libertador aceitar que longe de ser perfeita, a vida que levamos é movida pela energia que trocamos com ela. Não ter controle sobre o futuro e fazer as pazes com o passado é escolher viver o agora de maneira única.

Tudo acontece como deveria acontecer, acredite.

Juliana Manzato
Últimos posts por Juliana Manzato (exibir todos)

Juliana Manzato

Apaixonada por amor, cachorros, textos e coisas inspiradoras. Adora fotografia, mar, sol, doce de padaria, verão e olhar o céu azul. Esportista. Feminista. 80 porcentista. Irônica eu? Imagina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo