Coração com vista pro mar!

Leia ouvindo: Bob Marley – Redemption Song

Manhã de segunda-feira, mais uma como tantas outras que já vivi. Trânsito, eu no volante guiando pra muito longe do meu próprio coração. O céu azul, azulzinho. Um convite pra viver uma vida que eu sempre desejei, mas que acabei não escolhendo. Tem dias que a saudade é mais pesada mesmo, foi o que pensei. Não serviu de remédio.

Perto da ponte, a minha playlist me pregou uma peça. O carro foi invadido por lembranças, um reggae com cheiro de mar, uma música que me dizia que a melhor coisa era poder viajar e se livrar do stress de São Paulo. O que Deus estava querendo me dizer, eu confesso que não sei, mas minha alma reagiu no automático. Seta pra direita, acelerei como se precisasse fugir muito rápido, antes que a minha extrema responsabilidade capricorniana me fizesse tomar juízo. Em questão de minutos, eu estava na direção contrária do caminho do trabalho. Estava a caminho do mar.

Algumas lágrimas caíram no percurso. A gente passa a adolescência toda pensando que ser adulto é gozar de muita liberdade, entra na faculdade com o sangue nos olhos prontos pra mudar o mundo, pra desbravar tudo o que a pouca idade nunca nos permitiu, pra ser feliz em todos os sentidos. Fomos criados pra fazer sucesso, pra chegarmos mais longe que os nossos pais. Nem preciso dizer sobre a decepção de descobrir que ser adulto é mesmo um porre!

Fui direto pro refúgio. Desde muito pequena eu sempre amei aquele lugar mais que todos os que já visitei. Aquela praia onde a água nunca foi das mais cristalinas, mas que meu coração escolheu pra morar. Estacionei o carro perto dos coqueiros, respirei fundo e deixei aquele aroma de paz e felicidade inundar o meu peito. Fui andando devagar, o sapato de salto ficou pelo caminho. A cada passo, eu me sentia mais em casa. Uma conchinha regressada, um coração de frente pro mar!

Mayra 1

[ Imagem: reprodução ]

A água estava morna, o mar me recebia de braços abertos, poucas ondas, um barulho muito parecido com o da infância. A lembrança dos dias bons!

Eu precisei de longas horas ali pra conseguir colocar a vida no lugar. O meu choro, também salgado como aquele mar, me dizia que talvez a minha felicidade dependesse muito mais da minha paz interior do que de uma carreira de sucesso. Não que jogar tudo para o alto fosse o necessário, mas há quanto tempo eu me boicotava, me obrigando a viver uma vida que escolheram pra mim?

Somos todos pacientes terminais dessa louca vida. Na teoria, hoje é o último dia dessa caminhada. Ainda que a verdade seja assustadora, é só quando entendemos essa fragilidade que deixamos o ‘agora’ ficar mais bonito. Seja de frente pro mar ou na correria do dia a dia. É hora de dar mais vida aos nossos dias, de sermos mais inteligentes no que diz respeito aos nossos próprios cuidados paliativos, de deixar o riso solto nos acompanhar na viagem!

Nunca foi questão de ser uma vida ruim, calma! É só um dia ruim e logo mais ele acaba, adormece junto com o pôr do sol. Intimamente, sabemos o que faz o coração vibrar. As coisas simples que nos enchem de esperança para as novas batalhas. O ‘hoje’ é um dia muito especial, vale a pena lutar por ele. Ser adulto é voar muito longe, sim. Mas mais que isso, é saber reconhecer onde ficou o nosso ninho e voltar pra ele, se precisar. A felicidade é mesmo muito incerta, meus amigos, mas naquele dia eu descobri que tudo bem, desde que ela seja incerta num lugar bom!

Últimos posts por admin (exibir todos)

admin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo