Cotidiano Dela #01 | O QUE LEVA UM CARA QUE VOCÊ ESTÁ CONHECENDO CHAMAR A EX DE LOUCA?

0

Leia ouvindo: Michael Bublé – Feeling Good

Tava tudo perfeito. Era a última semana do mês, precisava mesmo gastar as duas horas que estavam sobrando no banco do trabalho, então saiu mais cedo na quarta para dar tempo de se arrumar com o capricho que desejava. Afinal, não era todo dia que o Tinder conseguia jogar no colo um cara com a conversa tão boa.

Era mais do que bonito, apesar de ter achado ele um gato. Os cabelos bem cortados, uma jaqueta de couro que lhe emprestava um ar genuinamente rebelde, e não aquela caricatura de tiozão que passou da idade para ser desobediente, mas tenta resgatar um pouco da mocidade fazendo o tipo motoqueiro. Mas ele não. Conversava um papo envolvente desde o início, sem perguntar “mas o que você faz”, e fazendo ela passar praticamente em claro as duas primeiras noites. Acordava um zumbi no dia seguinte, mas nada que um bom banho e uns pensamentos saborosos não a despertasse e a fizesse ir até a garagem do prédio como se seus pés não tivessem tocado o chão.

Precisava apostar e sair com aquele gostosão.

Foi para casa, botou o Michael Bublé pra cantar o seu “Felling Good” e se banhou e se pintou e se perfumou também. Viu sua figura no espelho, antes de sair de casa, e mandou um beijo para si. “Hoje vai ter”, pensou rindo enquanto procurava a chave do carro na bolsa.

E ele escolheu um baita de um bar, disse que ela iria adorar o drink da casa e pediu para ela confiar nele enquanto dava uma piscada. Suspiros agora e mais suspiros quando ele disse que o neon atrás do balcão ficava bonito refletido no rosto dela. Bingo. Na sua cabeça, era só aguardar mais uns minutos e partiria ela mesma para cima, mostrando que tem, mais que iniciativa, apetite. E os dois falando, e os dois rindo um do outro, os dedinhos se encontrando em cima da mesa, as panturrilhas por debaixo dela, ele falando de sua infância, ela da correria do trabalho, até que entraram no tópico “o que penso das relações amorosas hoje em dia?”.

Fotografia: Juliana Manzato

 começou, dizendo que tinha terminado um namoro já tinha uns meses, que tinha tido uma boa relação com o ex, que terminaram porque, em determinado momento, até procurando fazer um mea culpa, o foco de ambos em suas profissões poderia ter afastado em definitivo o casal. “Mas acontecem, né”, ela enfim disse enquanto deixava o peso do corpo levá-la mais para perto dele, “ainda bem que acabou me dando espaço na vida pra conhecer gente interessante”. Mas aí veio a vez dele. Comentou o alívio por estar solteiro de novo, que tinha uma ex-namorada que era, segundo ele, “louca”. Desembuchou que foi o ciúme doentio da outra que acabou com o que eles tinham, que ele fazia de um tudo enquanto ela só o cobrava, maltratava, ficava em cima, que, nas últimas semanas, ele não tinha um pingo de paz. “Daí, do nada, ela começou a ficar com raiva de mim. Mas ainda bem que aquela maluca já não está mais entre nós, né?”, ele finalmente terminou enquanto também fazia seu torso inclinar-se para frente.”Do nada?”, ela perguntou, agora colocando a cabeça um pouco para trás, “foi do absoluto nada que ela começou a ficar com raiva de você?”, e, enquanto se aproximava, enquanto colocava os lábios dele próximos dos dela, ele balançou a cabeça afirmativamente, já fechando os olhos.

Assim, coladinhos, ela pôde dizer quase sussurrando: “segura só um minutinho? Eu preciso ir ao banheiro. Coisa de menina, sabe?”. Ele sorriu e apontou para ela onde ficava o reservado. Mas nem reparou que, no meio do caminho, ela fez uma meia-volta e foi pegar a chave do seu carro com o manobrista. Foi pra casa sem dar tchau.

Tem companhia que é melhor ir dormir sozinha.

* * *

Oi gente! Jader falando aqui. =)

Para quem ainda não me conhece, sou escritor. Tenho três livros publicados (o Ela Prefere as Uvas Verdes, o Do Amor e o Deserto Negro) e escrevo crônicas e contos de ficção na Internet tem doze anos. Primeiro em um blog (vocês se lembram deles?), depois no portal PapodeHomem, de florescimento humano que mostra uma masculinidade mais positiva e diversa. Lá, fui colaborador, editor do site por seis anos e depois colunista, com a coluna Do Amor, com mais de 2.4 milhões de acessos, colocando um pouco do amor romântico em xeque, deixando ele meio sujo e na sarjeta para aprendermos a lidar melhor com as relações amorosas.

Disso, surgiu o livro Do Amor, viabilizado com financiamento coletivo em 2017, ultrapassando a meta inicial e chegando aos 111%, arrecadando mais de 20 mil reais e alcançando mais de 300 apoiadores.

Hoje a coluna está de casa nova, lá no Hypeness, e vou escrever aqui no Cotidiano Dela também! Então, quinzenalmente, aos domingos, estarei aqui com uma nova história de amores tortos e deliciosos. E tô bem feliz com o convite da Juju Manzato, uma pessoa muito querida. Mas vocês já devem saber disso. <3

Cheguem mais pertinho. Tem coisa boa pra acontecer. Aqui na assinatura tem os links das minhas redes sociais. Só se aproximar.

Um beijo!

Jader Pires

Jader Pires é escritor. Largou a publicidade, a experiência de sete anos em um banco e foi escrever. Começou a ler livros depois dos vinte e teve que correr atrás do tempo perdido. Já lançou três livros: o Ela Prefere as Uvas Verdes e o Do Amor, de contos, e agora, lança o seu primeiro romance, Deserto Negro, já disponível para compra. Siga-o no Instagram! @jaderpires.
Jader Pires

You might also like More from author

Leave A Reply

Your email address will not be published.