Deixa ela viver

Leia ouvindo: Thomas Jack – Rivers

Não dormi naquela noite. A angústia já tinha tomado conta da minha alma e num lapso racional entendi que ela não poderia tomar conta da minha vida. Tranquei a porta do banheiro e me olhei no espelho. Enxuguei as lágrimas. Vesti uma peça florida, caminhei pela casa me despedindo de tudo, bati a porta e saí para viver!

Algumas coisas não valem a nossa paz, sabe? Não valem a nossa gargalhada no meio de uma ligação de fofoca, o porre de prosecco numa quarta-feira de chuva, o caranguejo no sábado à tarde com a melhor amiga. Não vale o nosso direito de ir e vir. Entregar o próprio destino nas mãos do acaso é perder sua identidade. E eu lutei muito por ela, para permitir que isso acontecesse assim, do nada. Eu não, eu me respeito!

8352

[ Imagem: reprodução ]

A luz que brilha aqui dentro vibra amor, mas reluz amor-próprio. Reciprocidade e educação caminham juntinhas, e quando falta um desses ingredientes, minha amiga, não há receita que dê certo. Não mesmo. Desde quando entendi a Mulher que sou não é qualquer meninice que me desestrutura.

Conheço meu valor. Mais do que isso, conheço os meus valores. E reconheço-os diariamente, seja dentro do meu lar ou na companhia de quem me conhece de verdade. De quem conhece a minha essência. Que chegue até a minha vida apenas aquilo que for me fazer ser ainda melhor. Se não for para me impulsionar, que tome mesmo o caminho de volta. E me deixe viver!

Manu_2015

Manu Berbert
Últimos posts por Manu Berbert (exibir todos)

Manu Berbert

Baiana. Tom de voz alto, personalidade forte e palavras firmes. Observadora do mundo, das pessoas e dos seus comportamentos. Os olhos apontados para tudo, mas o dedo geralmente apontado para si mesmo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo