Desviando de furacões

Leia ouvindo: Taylor Swift – Blank Space

Eu soube desde o primeiro passo que deu naquele espaço que você seria o meu próximo erro. Emanava uma atmosfera de pecado, obstáculo, objeto proibido. Há um magnetismo dentro de mim – que não sei se devo classificar como natural – que praticamente clama pelos casos mais complicados. Inconsciente, inconsequente. Inconsistente.

Na superfície somos todas um pouco românticas, meio tradicionais, muito sonhadoras. O perigo mora lá no fundo, onde temos desejos intensos e atrações fatais. Quando a vontade fala mais alto que o coração, calam-se todos os clichês de namorinho de filme, romance de novela. Toda mulher tem uma queda pelo perigo.

Não me surpreendeu que você fosse do tipo furacão. Passou e tirou tudo do lugar: meus conceitos, minhas impressões, meus cabelos e os lençóis. Seria mais um daqueles troféus que eu colocaria na estante e até exibiria orgulhosa para algumas de minhas mais próximas e fieis escudeiras. Eu o teria na minha lista dos mais maravilhosos “one night stands” e te guardaria como uma boa memória de uma noite da minha mais alta autoestima. Até que você pediu meu telefone. E, sim, me ligou no dia seguinte…

[ Imagem: reprodução ] 

O problema de viver uma fantasia é quando o lobo se veste de cordeiro. A gente cisma que conhece o terreno onde está pisando, mas furacões também tiram o chão do lugar. Há casos que foram feitos para sobreviver somente por um dia (quem sabe por uma noite), e quando o prazo de validade se estende, é a gente que começa a azedar.

Coração é bicho burro, e não sabe distinguir pequenas de grandes demonstrações de afeto. Se envolve, se entrega. Fica mansinho, risonho, se abre todinho para quem bate à porta. O problema é essa estranha mania de ser sempre a pessoa certa na hora errada. Cheia das qualidades que você admira e virtudes que você quer numa mulher, mas há sempre um empecilho relevantíssimo que nos impeça de ser exclamação. Somos sempre vírgula.

Passado o efeito da ventania e recolhidos os destroços da devastação, voltamos a ser intocáveis, com estrutura rígida. E no meio da minha calmaria, mais uma vez tive a impressão de ver o próximo erro passar diante dos olhos. Abracei bem forte meu próprio peito e decidi esperar até que o acerto cruze o meu caminho.

Assinatura_Bia

Bianca Carvalho
Últimos posts por Bianca Carvalho (exibir todos)

Bianca Carvalho

Uma carioca branquela, bagunceira e desbocada. Uma mulher questionadora, inquieta e expansiva. Uma amante do mundo, dos cachorros e de pessoas apaixonadas pela vida.

2 comentários em “Desviando de furacões

  1. Super me identifiquei!!! ” Há um magnetismo dentro de mim – que não sei se devo classificar como natural – que praticamente clama pelos casos mais complicados” SEMPRE OS COMPLICADOS!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo