DIÁRIO DO FIM DO MUNDO, OU QUASE || QUEIMEI O PÃO

O pão da quarentena poderia ser uma situação qualquer da vida.

0

Leia ouvindo: Taj Mahal – Cakewalk Into Town

Querido diário, eu decidi fazer pão.

Decidi, fiz todo o processo, o pão ficou lindo, mas eu esqueci no forno. Queimei o pão. Meu primeiro pão.

Fiquei puta! Logo no primeiro pão um erro tão… básico?! Eu ignorei o alarme e segui a vida, até sentir o cheiro de queimado. Não foi na fermentação, não foi na sova, não foi no tempo. Errei, no forno. NO FORNO(!).

Expectativa alta, decepção ladeira abaixo.

O pão da quarentena poderia ser uma situação qualquer da vida. As vezes a gente ignora o alarme, perde o time, deixa o detalhe passar e o resultado final não é o esperado. Em outras vezes a gente faz tudo certo, e acontece o mesmo.

Quer saber?

A nossa nota de corte/exigência – com a gente mesmo, é alta demais. Era o me primeiro pão, tudo bem errar naquele momento – ou em outro. Está tudo bem errar. O erro é a chance para o acerto. Nem só de exigências vive uma pessoa fazendo pão pela primeira vez, as vezes ela não está tão presente como gostaria.

Depois dessa quarentena, cozinhar não se tornou mais UMA função, é, de fato, a distração, o autocuidado e amor-próprio. Cozinha não é só pelos outros, é por nós, pela nossa sanidade. É a oportunidade de nutrir o corpo e a alma.

Digo por mim, a cozinha me leva longe. O pão é um dos maiores vínculos que tenho com meus ancestrais italianos, penso nas minhas raizes, história da família, tradições, na Itália e em tudo que aconteceu por lá. É inevitável.

Realmente. Fui tão longe que esqueci o pão no forno.

Agora a realidade se mistura a decepção, momento de digestão. Fiz questão de ver a fermentação. (Que esteja digna, por favor!). Rasgo a casca com as mãos. Por dentro o pão quentinho, imaculado, com lindas e macias bolhas. Experimento sem a casca queimada. O gosto foi preservado.

Foi o pão queimado mais gostoso que comi.

O problema é a casca. O quanto isso não se repete na vida? Cascas e mais cascas. Um nível de exigência lá em cima. Ao invés de provar do miolo, valorizamos a casca.

A perfeição vem em camadas. Tire a casca.

Juliana Manzato
Últimos posts por Juliana Manzato (exibir todos)

You might also like More from author

Leave A Reply

Your email address will not be published.