Essas Oncinhas… Quando não são iguais, são ótimas.

2
Mulheres são mulheres e homens são homens, até aqui, nenhuma novidade e está assim há alguns milhões de anos. O Bra-Burning ou Queima dos Sutiãs nos anos 60 (que na verdade não queimou nada), foi lindo do ponto de vista das mulheres pararem de usar o dito cujo, mas que, no clamor de se igualarem aos homens, foi uma péssima ideia. Ok, estou pisando em terreno perigoso, muita calma. Desde então, começou uma competição louca para saber quem é o melhor, o homem ou a mulher. Melhor em quê? Melhor pra quê?
Nunca vi uma mulher trabalhando de estivador no porto de Santos. Façam um esforço e imaginem uma mulher levantando às três da manhã, põe qualquer roupa, no meio do caminho pras docas come um pão com muita, mas muita, mas muita manteiga mesmo, logicamente acompanhado de um café com leite açucarado ao máximo, chegando lá, dá uma bela coçada no saco(?), uma cuspida no chão e mãos a obra pra carregar caixas, engradados, martelar paletes e no final do expediente, passar no boteco pra uma cachacinha com os amigos e correr pra casa a tempo de dar um cata na patroa (patrão?).
Vale o inverso? Uma mulher levantando às três da manhã, fazendo sua meia horinha de alongamento, depois disso vai pra cozinha cantarolando e prepara seu lanchinho de pão light 7 grãos com duas fatias de queijo cottage, tomate e levemente tostado no forninho elétrico – nem corado, nem branquinho, não frio, nem muito quente pra não perder o sabor e as vitaminas dos 7 grãos. Ah, acompanha um suquinho de mamão papaia diluído em laranja, com 4 gotinhas e meia de adoçante à base de stevia. Após o saudável desjejum, um banho para despertar e levantar o astral no dia que começa (e vai embora, porque já são umas 5 da matina). Banho tomado com sabonete cremoso e corpo hidratado com óleo essencial de amêndoas pós-banho, cabelos tratados com xampuzinho de creme de abacate diluído em água de coco verde aditivado com extrato de folhas de hortelã e toques de trigo e o condicionador vitaminado com um abecedário inteiro. Enrola os cabelos com uma toalha felpuda e bordada com rendas cearenses da cidade de Aquiraz e finalmente sai do banheiro para ficar em frente ao espelho e decidir por fazer uma escova, passar uma chapinha ou apenas secar. Feito isso, vai escolher uma roupa, nem muito leve, nem muito pesada, nem muito colorida, nem muito sóbria. Para tudo, pega o jornal, consulta a previsão do tempo e constata que vai ser ensolarado na maior parte do dia com alguma nebulosidade e possíveis pancadas de chuva em áreas isoladas. Visto isso, volta ao guarda roupa, faz cara de choro e grita:
– Eu não tenho roupaaaaaaaaa!!!!
Passada a crise (e algumas horas), decide pela primeira roupa que tinha escolhido e a tinha deixado gorda como um botijão de gás. Vai até a sapateira e escolhe entre os inomináveis pares de sapatos e, com a carinha de choro, volta a gritar:
– Eu não tenho sapaaatooooooooo!!!!
Previsivelmente, escolhe o primeiro par que já tinha visto e jurou que deixava com uma aparência pouco esguia (seja lá o que isso significa).
Conferida nas unhas, batom, blush, rímel, sombras, bases, pós, não necessariamente nessa ordem, mas também não sei em qual ordem, está prontinha para sair.
Horas se passaram, é bom correr pra chegar logo no porto (lógico, achou que era onde?). Lá, começa a pegar as caixinhas, uma a uma, para levar de carrinho de compras de um local para outro. Nesse ínterim, uma unha quebra e volta a cara de choro, pega o celular, liga pra uma amiga e grita:
– Aconteceu uma desgraaaaçççaaaaaaa!!!!
Não preciso estender mais a história. São situações limites, claro, mas são nos limites que as teorias são testadas.
Moral da história: mulheres, sejam mulheres, sejam diferente dos homens. Não tentem provar que são melhores ou superiores porque não são. E tampouco, em hipótese alguma são inferiores – vocês são DIFERENTES.
Falta pouco para essa equação fechar – a de que as mulheres tem, sim, seu espaço na sociedade, mas sem o radicalismo das Bra-Burning, que queriam ser exatamente iguais aos homens.
Nós, homens, amamos vocês porque são assim e não apesar de vocês serem assim. Demoram pra se vestir, fazem um show por situações aparentemente banais, são dramáticas, falam, falam, falam e falam 5 assuntos diferentes ao mesmo tempo e voltam a falar, falar, falar, têm uma compulsão inexplicável por sapatos, possuem uma inaptidão nata para lidar com o controle remoto da TV, apertam todos os botões até deixar a TV imprestável, enfim, são essa coisas lindas e maravilhosas que já pisaram na Terra pra deixar a vida menos chata.
E se você não concorda com nada disso ou concorda com tudo isso, pode me apedrejar naquele espacinho pra comentários lá embaixo ou, podem protestar queimando o sutiã. Eu apoio incondicionalmente.
Beijocas
Rubens Gualdieri 

Ps da Ju : Tirando a parte do protesto do sutiã com o seu super apoio, SENSACIONAL. Sem mais! 
Últimos posts por admin (exibir todos)

You might also like More from author

2 Comments

Leave A Reply

Your email address will not be published.