Fidelidade

3

Pedro sempre foi um cara de bem com a vida, muito fiel a tudo que fazia, aos seus sentimentos e anseios, mas uma pessoa à frente do seu tempo…
Era formado na melhor faculdade da cidade. Tinha passado anos estudando fora do país, mas sempre fiel, ligava, mandavam e-mails e pensava nela todos os dias.
Hoje, há quase 2 anos em sua cidade novamente, já tinha conseguido um bom lugar no mercado e um ótimo salário. Com sua paixão pelo que fazia e sua fidelidade ao que queria, conseguiu um emprego bacana em pouco tempo. Era propagandista de uma farmacêutica renomada e vendia uma droga muito procurada.
Adorava o que fazia, pois além de receber uma grana interessante, que lhe permitia ter uma vida confortável, ainda conhecia pessoas todos os dias. E essas pessoas não eram pessoas comuns, eram médicos, enfermeiras, recepcionistas e até mesmo pacientes em busca de tratamento, mas de clínicas de luxo, muito bem localizadas, e melhor ainda, frequentadas… Pessoas de boas condições, elegantes, bem vestidas, como não se envolver por isso?
Essas pessoas novas em suas vidas, normalmente lhe rendiam happy hours, baladas e noitadas… apesar de tudo, era impossível resistir.
Pedro, mesmo com seu status, claro, adorava tudo isso e sempre que podia, terminava a noite acompanhado. Fosse com uma loira de arrancar o fôlego, uma morena caliente, uma mulata cheia do remelexo ou mesmo uma oriental com carinha de santa. Ele sabia muito bem como fazer, ligava avisando que teria um coquetel de inauguração de uma clínica na Avenida 2, 3 ou 27, dizia que preferia ir sozinho para poder tratar de negócios e para não precisar chatear ninguém com isso, arrumava-se como um bom Don Ruan, perfumava o pescoço, os pulsos e o peito com seu inconfundível perfume e tomava seu destino, sem horas para voltar.
Na noite, curtia como se fosse um amante qualquer, flertava, se aproximava, oferecia um brinque, usava o máximo que podia do seu papo envolvente, acostumado a oferecer um produto simples, pelo preço mais alto do mercado e mesmo assim, ter clientes cativos pela sua língua afiada, conseguia tudo o que queria.
Como não poderia deixar de ser, em algumas horas, estava entrelaçando suas pernas com alguma mulher linda, em um canto ou outro da cidade, às escondidas. Com as roupas jogadas pelo quarto e o cheiro de sexo envolto no ar.
Duas, três, quatro horas depois, estava ele vestindo-se novamente, alinhando toda a sua composição para levar a moça embora e voltar fielmente para sua casa.
Bem resolvido como era, em momento algum ele iria trair, ou colocar em risco aquilo que mais prezava em sua vida, o amor pelo seu estado civil: solteiro.

Últimos posts por admin (exibir todos)

You might also like More from author

3 Comments

  1. Bianca says

    Gostei do Pedro. Ele tem telefone? rs
    Texto totalmente envolvente!!!

  2. @AninhaRuiz says

    Obrigada Bibiã! =)

    Se eu encontrar o telefone dele, pode deixar que te passo =P Haha

    Fly Away

  3. Pinot Chileno says

    Adorei o site e gostei muito da matéria, mas como comunicólogo chato que sou, pode acertar o Don Ruan para Don Juan? Senão vamos machucar a literatura de José Zorilla ou mesmo o passado desse lendário e sedutor Don Juan. Beijo e parabéns.

Leave A Reply

Your email address will not be published.