#MORANDOSOZINHA | LAVANDO ROUPA

Leia ouvindo: The Rolling Stones – Start Me Up 

Morar sozinha é descobrir que você tem roupa sim, e são muitas. Mas assim, MUITAS. Milhares. Elas parecem brotar do cesto de roupa suja do banheiro. 11 anos morando sozinha e até hoje eu não me conformo com a quantidade de roupa suja que acumula.

Veja bem, não sou daquelas que lava roupa todo dia. Organizo dois dias na semana para lavar a roupa suja e analisar meus problemas. Sério, se uma pia cheia de louças é uma maravilhosa terapia, experimente lavar roupa suja.

Comece separando as peças por cor e textura. Assim como os problemas, não dá pra misturar tudo, jogar na máquina de lavar e esperar que fique tudo bem. Se as roupas acumulam, imagina só os problemas?!

Pois bem, existem problemas que a gente gosta de ter e temos que assumir isso para nós mesmas. Eu geralmente penso neles e nas minhas roupas brancas, não tem tudo a ver? Roupa branca dá um trabalho do caramba cuidar, tirar qualquer mancha, lavar, mas advinha só, o meu guarda roupa é cheio delas.

Fotografia: House Of Bubbles

Existem problemas que a gente sabe que não tem que se preocupar, geralmente vão resolver sozinhos, sem precisar de muito cuidado. Nesses ai eu penso no meu amontoado de roupas pretas. Já lavou roupa preta? É bem mais fácil e não precisa de um milhão de detalhes.

As peças coloridas são aqueles problemas que a gente tem que ter cuidado, não dá pra misturar, não dá nem pra achar que sabe lavar (ou resolver), geralmente a gente recorre para a sabedoria milenar da mãe ou da avó. São aquelas peças/problemas que precisam das santas dicas de quem já está acostumada a lavar muita roupa, e consequentemente, resolver muito problema.

As peças mais delicadas são aqueles problemas mais delicados também. Os cuidados são inúmeros! Tem que analisar bem, lavar na mão, com sabão especial, quando não, entregar na mão de um profissional. Nessas horas a gente apela para lavanderia, e para terapia, claro!

Ah, a roupa intima! O universo particular das calcinhas, sutiãs e afins. Nessa hora ai a gente já começa a ver como anda a vida amorosa, amor ao próximo e próprio, viu? Se a quantidade de calcinha e sutiã velhos for muito maior do que os novos, sinal vermelho! Vamos cuidar melhor desse coração? Dessa vida? Dessa razão? Calcinha nova nunca é demais, sutiã idem. E não me venha com essa história de calcinha nude, prefiro até que você mande nudes, viu? Lingerie nova é sinal de amor próprio.

Existe ainda aquelas peças jeans, com o jeans a gente não se preocupa né? É justamente para bater e durar. Assim são também aqueles probleminhas do dia a dia que a gente não pode dar lugar. Resolve logo e deixe estar.

Entre amontoados de roupas a gente começa o dia. Uma máquina por vez e veja só, acabou a roupa suja. Um problema resolvido por vez e veja só, novos aparecerão. Mas até ai, qual seria a graça da vida se tudo fosse resolvido com Omo Multiação, né?

Juliana Manzato
Últimos posts por Juliana Manzato (exibir todos)

Juliana Manzato

Apaixonada por amor, cachorros, textos e coisas inspiradoras. Adora fotografia, mar, sol, doce de padaria, verão e olhar o céu azul. Esportista. Feminista. 80 porcentista. Irônica eu? Imagina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo