Mulher que sente | Saudade

Leia ouvindo: Imagine Dragons – It’s time

O pensamento percorre caminhos distantes lá no fundo do baú da mente. Talvez porque ele vá correndo, com a ansiedade de voltar, quando chega o peito encolhe, aperta, falta o ar. Lembra-se daquele primeiro beijo, da conversa antes dele, do quanto você queria apressar o encontro dos lábios e do quanto você queria que o relógio parasse quando, enfim, as bocas se tocaram.

A consequência de se ter uma vida maravilhosa é conviver com a vontade de que todas as fortunas recebidas e presenciadas se repitam diariamente. Viajar, beijar, beber, amar, fotografar, sorrir… Todos os verbos se convertem no permanente desejo de viver tudo aquilo de novo. E de novo. E mais uma vez. E voltar. Pra lá, onde eu brilhava. Pra ele, que eu amava.

{Imagem: reprodução}
{Imagem: reprodução}

Às vezes euforia, às vezes melancolia. As experiências pelas quais passamos provocam um misto de sentimentos, e eu decidi que mesmo a passageira tristeza, que por vezes eles nos causam, não devem carregar conotação negativa. Aperto no peito é abraço da alma. Lágrimas no rosto são água benta para o que ainda está por vir. Porque eu sou dessas que sabe que ainda tem muito pra ver e viver, mas que até do que eu ainda não conheci eu já sinto falta.

Talvez meu coração precise das lembranças para poder pulsar. Pode ser que eu precise das lembranças para continuar vivendo, e eu necessariamente preciso viver, com força, para que as lembranças continuem sendo construídas. É um ciclo natural e bonito.

Eu achava que a culpa era do travesseiro. Que ele tinha algum tipo de magia que, quando minha cabeça encostava nele, acionava automaticamente o mecanismo da nostalgia. Descobri que tenho vocação permanente para ser moradia da saudade, e que não importa o quanto eu viva cada dia intensamente, eu sempre vou querer voltar atrás para um ou outro momento que me arrancou o fôlego.

Ah… Que saudade de você…

Assinatura_Bia

Bianca Carvalho
Últimos posts por Bianca Carvalho (exibir todos)

Bianca Carvalho

Uma carioca branquela, bagunceira e desbocada. Uma mulher questionadora, inquieta e expansiva. Uma amante do mundo, dos cachorros e de pessoas apaixonadas pela vida.

5 comentários em “Mulher que sente | Saudade

  1. Acordei com sintomas de saudade hoje e me deparo com esse texto. É muito o que estou sentindo hoje e o que eu sinto constantemente por ser muito coração. Obrigado Bianca!

  2. Não sei se vc é algum tipo de vidente ou coisa do tipo… só sei que toda vez vc publica algo que preciso ler!!!
    Obrigada por fazer das suas palavras as minhas!!!
    Grande beijo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo