Na dúvida, mergulhe

Leia ouvindo: Valley – Man Outta You

O fim muitas vezes não chega com ponto final, vem acompanhado com dúvidas e vírgulas. Não é fácil abraçar o novo e ao mesmo tempo abrir mão do que já se tem. De fato, é inseguro demais pular na piscina mais profunda sem a boia de braço como apoio, moral e usual. É preciso coragem para abandonar a piscina mais rasa e ir se aventurar onde o pé não alcança o fundo.

Coragem tomada com altas doses de vontade, sem as boias e de peito estufado, lá vamos nós para o primeiro mergulho mais fundo. Desafiadoramente gostoso! Mal dá para sentir tal coragem, pulamos e voltamos correndo para a borda. É melhor e mais seguro sempre. Depende.

Depende da vontade de aprender a mergulhar e sustentar o corpo na água. Depende do seu medo. Depende do tamanho do seu desafio. E depende, principalmente, do quão preparado você está para tal mergulho. Invariavelmente não estamos tão preparados assim e com o susto do salto e a quantidade de água, voltamos para a piscina rasa. Talvez não fosse hora de mergulhar mais fundo.

9cf8a462f1419975919d71de7ac1327b

[ Imagem: reprodução / Pinterest: cotidiano dela ]

Voltamos ao morno. Voltamos para o esperado, afinal, já sabemos o que vamos encontrar na piscina mais rasa. Estamos acostumados a nadar por aquelas águas.

Podemos associar tal situação facilmente a relacionamentos amorosos. Voltamos para relacionamentos que nos dão segurança, mas que em sua maioria estão no seu estágio mais morno. Nós até tentamos um mergulho ou outro na piscina maior, mas é sempre melhor a segurança que uma piscina mais rasa dá para quem não sabe nadar direito.

Não desapegamos como deveríamos desapegar. Apelamos para as boias emocionais sempre que o mergulho e a quantidade de água que engolimos é maior do que esperado. O susto sempre procura por segurança, é humano. O problema é quando depois de muitas tentativas frustradas, apelamos para a tal boia. Apelamos inevitavelmente para nossa zona de conforto e lá ficamos.

Relacionamentos amorosos dão errado, acostume-se com isso! É fácil se acostumar com aquilo que te faz bem, mas te coloca em uma zona de conforto filha da puta. Até que a vontade de ir grita, e a vontade de ficar briga. Eis a dúvida, ir ou ficar? Você vai, mas fica. Deixa o galo cozinhando para o ensopado que pode nem sair, mas aproveite para fazer uma boquinha no restaurante mais próximo. É bom experimentar cardápio novo e se o sabor não agradar, você sabe que o galo estará lá cozinhando, e que no final dará um bom caldo.
Uma decisão um tanto quanto egoísta, afinal, somos decididos até a página dois. Acho que dúvidas sempre vão existir, é humano, mas acho também que envolver outras pessoas em dúvidas próprias é humanamente desnecessário.
Se a dúvida for maior do que a sua coragem, afaste-se de todos e tome a sua decisão de maneira limpa. Não é errado voltar atrás, errado é ficar nessa dúvida. Errado é deixar pessoas presas às suas dúvidas mais profundas. Errado é ir embora deixando um fio de esperança de que você pode voltar. Se já é difícil lidar com expectativas próprias, imagina alimentar as alheias? Não seja um filho da puta, sério.
A vida fica bem ali, entre as dúvidas e as certezas. Se reparar bem, apesar de todos os desafios, o sentido dela é sempre para frente, é sempre para nos tornarmos melhor não só com a gente, mas com o outro.
Coragem para sair da zona de conforto! Minha sugestão é que você abandone a boia e mergulhe. É assustadoramente delicioso conhecer o novo. Você vai engolir muita água, vai sentir medo por não sentir seus pés tocarem o fundo, mas seu corpo vai reagir e você vai nadar. A vida já está acostumada em nos colocar para frente, é o real sentido dela.
Você sabe que a boia estará ali se precisar, mas sinceramente? Vai gostar de descobrir o novo. Vai querer treinar cada vez mais mergulhos. Vai querer desafiar sua coragem e ir.
E eu só tenho uma coisa para te dizer: bem vindo à profundidade!
Juliana Manzato
Últimos posts por Juliana Manzato (exibir todos)

Juliana Manzato

Apaixonada por amor, cachorros, textos e coisas inspiradoras. Adora fotografia, mar, sol, doce de padaria, verão e olhar o céu azul. Esportista. Feminista. 80 porcentista. Irônica eu? Imagina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo