NADA JULGAR

0

Leia ouvindo: Valley – Swin 

Assim como deve acontecer com você, meus processos de autoconhecimento são diários. Eu não sei dizer com precisão quando abri os olhos para isso, mas é impossível passar um dia inteirinho sem ter aprendido uma lição que seja. Até mesmo fazer nada pode significar fazer tudo.

Quando o verão chegou, em 23 de dezembro de 2019, eu já estava de férias. Tomei uma das decisões mais acertadas de 2019: desliguei da tomada. Minha tomada é o celular e suas inúmeras notificações, que mais parecem cobrança.

[ Nota mental nessas horas: um e-mail chegou, você não vai responder? Tal pessoa comentou na sua foto, você não vai dar um like e responder na sequência? Aquela grupo do whatsapp está bombando, não vai dar uma olhada? E assim segue ].

Desligar e não me julgar por isso. Não ouvir aquela voz que vem não sei de onde e planta a semente da discórdia: “Não vai ver nada mesmo? Isso pode te prejudicar”. Passei alguns dias aprendendo sobre julgamento, o meu – e consequentemente dos outros.

Fotografia: Juliana Manzato

É assustador perceber a quantidade de julgamento que tomamos como nosso. É mais assustador ainda perceber o quanto é a automático – quase que como respirar, julgar. Se não é julgando os outros, é se auto julgando. Abraçamos o julgamento com louvor e alimentamos o nosso ego com a complexibilidade de colocar em nossas caixas contextos que são muito maiores, e pior que isso, que muitas vezes não são nossos.

A reflexão aqui é para o não julgamento – o seu e o dos outros. Acredito que olhar e refletir desse ponto de vista é ir de encontro com a nossa verdade. Com tudo aquilo que verdadeiramente queremos manifestar no mundo. Dessa perspectiva aqui, o mundo fica um tanto mais simples, as decisões não carregam um grande peso e trazemos mais consciência para os próximos passos.

Talvez seja necessário ser corajoso suficiente para virar a chave e abrir a porta. E isso não significa temer o que tem do outro lado, mas sim receber a grandiosidade que é viver tudo aquilo que você escolheu verdadeiramente.

Juliana Manzato
Últimos posts por Juliana Manzato (exibir todos)

You might also like More from author

Leave A Reply

Your email address will not be published.