O QUE MUDOU?

0

Leia ouvindo: Joss Stone – Free Me

Talvez não sejam as metas, mas a transformação diária que acontece na nossa vida. Não sei como é para você, mas para mim, metas beiram a frustração, mesmo sabendo da sua importância como bússola.

Frustração porque nem tudo sai como planejado. Frustração porque o mundo não é exato. Frustração porque existe um contexto que precisa ser avaliado antes de qualquer resultado final.

“Metas para o ano novo” são vontades acumuladas que não vão sair do papel tão cedo, e isso não é ser pessimista, mas sim, realista. Para uma vontade passar a ser meta existe dedicação e energia, e sabe, nem todo mundo está disposto a escolher, de verdade, uma meta e se dedicar a ela. Mesmo quando nada sai como o planejado. Mesmo com o mundo insistindo em ser exato. Mesmo quando o contexto não é avaliado.

Nesses três últimos anos ao invés de “metas para o ano novo” comecei a listar as transformações que passei durante o ano para assim, me abrir ao novo ano de maneira diferente. Sem colocar no zero hora, no ano, no dia 01, projeções que são só minhas, ou, o que é ainda pior, projeções alheias que comprei como minhas e preciso manifestar.

Verdade seja dita, não é o ano que vai ser bom ou ruim, é a nossa capacidade de fazer desse novo período algo incrível para nós. Somos nós que escolhemos, independente do externo. Independente da sua família, dos seus amigos, do seu trabalho, do governo, enfim, dos problemas mundanos que nos apegamos e acreditamos não ter solução.

Fazendo uma análise superficial do meu ano até aqui posso resumir em duas palavras: gratidão e transformação. Das duas palavras saiu um mantra diário: Se sou gratidão, sou também transformação, sendo assim, o que mais é possível que eu ainda não considerei? 

Fotografia: Juliana Manzato

Respiro fundo.

Quantas vezes você tentou achar respostas e esqueceu de reformular as perguntas? Transformar é isso, olhar de novo, de um jeito completamente diferente.

Juliana Manzato

Apaixonada por amor, cachorros, textos e coisas inspiradoras. Adora fotografia, mar, sol, doce de padaria, verão e olhar o céu azul. Esportista. Feminista. 80 porcentista. Irônica eu? Imagina.
Juliana Manzato

Últimos posts por Juliana Manzato (exibir todos)

You might also like More from author

Leave A Reply

Your email address will not be published.