Para o mundo

Leia ouvindo: EFIX & Henri Pfr – I’m Going Down (feat. Florence Welch & Kid Harpoon)

Sem você nem mesmo perceber, me perdeu. E não foi como uma uma agulha num palheiro, porque essa, por mais difícil que seja de achar, ainda está fixa em um único lugar. Você me perdeu para o mundo, um lugar não muito gentil mais cheio de vistas bonitas, lugares encantadores e pessoas raras.

Poderia ter muitos motivos para ficar, mas não foram suficientes. Não para uma pessoa que tem asas para voar. Fazer o caminho de volta não parecia uma boa ideia, principalmente pelos motivos para voltar não fazer tanto sentido assim. Fui sem pesos ou culpas. O mundo apesar de hostil é um lugar bacana para explorar.

Sozinho ou acompanhado, aprendi na vida que a melhor cia que tenho é a minha. Eu mesma me perdi para o mundo e não estou em busca de endereço fixo ou caixa postal evidente. Decidi que o meu lugar vai ser em qualquer lugar. E isso significa ser feliz independente de todas as provas que a vida me coloque. Um sincero: desafia que eu dobro a aposta.

Você me perdeu para lugares bonitos, viagens animadas, amigas engraçadas, festas agitadas, vida sem parada, amizades renovadas, e as tantas novidades que aparecem todo dia pelo meio da estrada. Isso inclui gente que também não quis seguir o caminho de volta. Renovada.

Liberdade

[ Imagem: reprodução ] 

Depois do ponto final e da página virada, ando dando respiro a muita vida que me resta com as virgulas bem colocadas. Aqui do lado de fora é tudo muito intenso, extenso. Aprendi com o mundo que coragem mesmo não me falta, cara de pau também. Aprendi a matar leões e procurar abrigo para passar o dia. Percebi que sou muito mais forte do que imagino e isso não se resume a lágrimas, mas sim em relação a escolhas. A mochila se tornou mais leve, o coração mais tranquilo, a rotina minha.

Talvez seja um discurso egoista, mas para quem muito se importou com o amor ao outro, abraçar o próprio é oração. Achei bom abrir aquela porta e sair com o nunca mais de baixo do braço. Me fez mais forte e olha só a ironia, um tanto quanto leve. Fiz questão de tirar os pesos de vida que restaram na mochila e não foi por você, foi por mim mesma.

Enquanto os dias passam eu tenho cada vez mais certeza daquilo que não é suficiente para mim. A saudade insiste em apertar de vez em quando, mas quem nunca sentiu para contar? Melhor a saudade do que a falta dela.

O mundo me espera e a vida que decidi celebrar todo santo dia, também. Soltar minhas asas fez um bem danado para mim.

2015_Ju

Juliana Manzato
Últimos posts por Juliana Manzato (exibir todos)

Juliana Manzato

Apaixonada por amor, cachorros, textos e coisas inspiradoras. Adora fotografia, mar, sol, doce de padaria, verão e olhar o céu azul. Esportista. Feminista. 80 porcentista. Irônica eu? Imagina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo