#QUASE30 | AUTO SABOTAGEM

Leia ouvindo: Florist – Vacation 

Respire! Isso. Relaxe os ombros. Estou aqui. Eu sei exatamente como você se sente, já me senti assim. Já vivi situações bem parecidas com as suas.

Quando a gente vê, já fez. Se chama agir por impulso. Um impulso que a gente não sabe bem de onde vem, mas sente – como sente! – a destruição que traz. Fazemos exatamente o contrário do que gostaríamos de fazer. Falamos tudo que não queríamos falar. A sensação é de alívio, e de ressaca. Na falta de controle, o porre é pior que o de uísque.

Com a maturidade, percebemos que o tal impulso é aliado da auto sabotagem. Aquela que fazemos para nos prejudicar, geralmente quando tudo vai bem. É só a gente ser um pouco mais feliz do que o normal que lá vamos nós estragar tudo.

E mesmo com tamanha consciência do agora, escapa. Mesmo com maturidade, passamos do ponto com nós mesmas. Mesmo com um luminoso brilhando bem na nossa frente avisando que é sabotagem, continuamos. No fundo, achamos que é melhor estragar do que manter.

Fotografia: Juliana Manzato

É necessário um bocado de paciência e doses de amor próprio para aceitar que está tudo bem. Temos essa mania de buscar tanto a felicidade que quando finalmente encontramos, precisamos estragar para voltar a dizer que não somos tão felizes assim. A plenitude parece ser aceita por poucos.

Todo mundo quer ser feliz, mas é cada vez menor o número de pessoas que abraça a felicidade cotidiana. Por esse e outros motivos decidi viver em estado de alerta máximo, para auto sabotagem e para a felicidade. Justamente para não deixar passar nada, nem a sensação irritante de pisar em ovos, muito menos a real felicidade que bate na porta.

Melhor viver em pleno estado de alerta do que relaxar na sensação de ressaca da auto sabotagem. Prefiro viver a intensidade de maneira genuína do que simplesmente acabar com algo por simplesmente me fazer feliz.

Cansa demais cair por ter amarrado os cadarços do tênis de maneira errada. Sensação de trouxa sendo atualizada com sucesso!

Um dos pouquíssimos conselhos que me permito passar adiante perto desses quase 30 é sobre o estado de alerta continuo. Não relaxe! Não durma no ponto! Não amarre o cadarço errado! Não tire as rodinhas da bicicleta antes do tempo! Não pegue impulso sempre! Impulso serve para ir mais longe, não sabotar o caminho.

Respire! Cale-se. Faça uma análise. Talvez seja só a felicidade aparecendo em minutinhos de descuido. Não sabote!

Juliana Manzato
Últimos posts por Juliana Manzato (exibir todos)

Juliana Manzato

Apaixonada por amor, cachorros, textos e coisas inspiradoras. Adora fotografia, mar, sol, doce de padaria, verão e olhar o céu azul. Esportista. Feminista. 80 porcentista. Irônica eu? Imagina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo