#QUASE30 | TUDO BEM SE VOCÊ NÃO QUISER FILHOS

Leia ouvindo: Edward Sharpe And The Magnetic Zeros – Home

É polêmico eu sei, mas vamos tentar seguir pelo caminho da empatia, ok?

O poder feminino de gerar a vida e ser fonte inesgotável de amor parece tão mágico! Mas não deixa de ser cruel também, principalmente no mundo que vivemos. Chega a ser traumático falar sobre maternidade, pensar nela inclusive. Ainda não sou mãe, portanto não espero ser julgada por uma. E a questão aqui não é falar da maternidade, até porque, eu não tenho nenhuma propriedade para falar.

Lá pelos meus 19, 20 anos, eu pensei muito em filhos, tinha um namorado incrível, um relacionamento legal e planos de futuro. Tinha também a ilusão de família margarina. Convenhamos, não é tão simples assim ter um filho e acho humano assumir isso. É uma baita responsabilidade, e acho que ver isso com tal “facilidade” é terrível.

É preciso ter certa estrutura, e nem estou falando sobre finanças, estou falando do mental. Filho não é uma coisa, é uma nova pessoa que você está trazendo para o mundo. Precisamos falar mais sobre consciência e coerência em ter filhos. Tem que existir entrega e mais do que tudo isso, responsabilidade.

Agora tem alguém no mundo que depende de você!

É assustador pensar em tal dependência, afinal não é todo mundo que está preparado para isso. É mágico pensar que existe um pedacinho seu no mundo. Que esse serzinho fará coisas incríveis e que mudará tudo aquilo que você sabe sobre amor. Filhos são sementes do mundo! Só tem uma coisinha, homens e mulheres não são obrigados a ter um filho, mas se decidirem, que sejam responsáveis, coerentes e sábios.

Fotografia: Juliana Manzato

Tenho ouvido cada vez mais mulheres decididas em não ter filhos e quero dizer que tenho empatia por vocês. Perto dos trinta anos se você não tem um relacionamento e ideia de filhos, você precisa ter coragem. Coragem de enfrentar os julgamentos. Coragem para enfrentar o tempo. E coragem para entender tal decisão. A maioria das pessoas não entende e ainda retruca “Mas tem tanta gente querendo e não consegue”. Depois dos 30 eu imagino que só piore. Coragem em dobro. Coragem em doses cavalares. É foda ser mulher!

Sendo ou não mães, somos julgadas. Julgadas por uma escolha que temos por direito. Então, porque entrar no mérito? Toda e qualquer relação exige cuidados, seja ela marido e mulher, pai e filho, mãe e filho. São laços, e eles precisam ser amarrados com cuidado.

Ei, você ai! Se não quiser ter filhos, eu vou te entender. Acho que o mundo precisa ser mais empático também. A responsabilidade dá medo. A entrega também. Tente não se importar com julgamentos alheios. Eles não sabem e nem precisam saber das suas escolhas. E mais do que isso, eles não sabem do caminho que percorreu até aqui.

Ei, você ai! Com vontade de ter filhos, futura mamãe ou já mãe. Acho que o mundo precisa ser mais empático também. A escolha de ter um filho foi sua, o filho é seu, é injusto esses dedos apontados esperando perfeição de quem dá o seu melhor todos os dias. Ninguém nasce mãe, a mulher aprende a ser.

Aliás, o que mais aprendemos no decorrer da vida é ser. Ser tudo aquilo que os outros querem, mas cadê o seu querer? Onde moram suas escolhas? Vá até elas e abrace com força. O mundo pode não estar à favor, mas você tem o universo com você.

Quase trinta e a gente ainda não aprendeu sobre escolhas. Quase trinta e ainda estamos nessa de escolher um lado do muro para cair, quando na verdade não deveriam existir muros, horizontes bastariam.

Juliana Manzato
Últimos posts por Juliana Manzato (exibir todos)

Juliana Manzato

Apaixonada por amor, cachorros, textos e coisas inspiradoras. Adora fotografia, mar, sol, doce de padaria, verão e olhar o céu azul. Esportista. Feminista. 80 porcentista. Irônica eu? Imagina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo