#Quase 30 | VOCÊ PODE TER MEDO

Leia ouvindo: The Chainsmokers – Paris

Na medida que envelhecemos nos tornamos mais frouxos. É um fato, não adianta você dizer que não. Vivemos compartilhando frases e mais frases sobre coragem, sobre seguir em frente, sobre simplesmente ir. Imploramos por coragem o tempo todo, a busca por ela anda sendo quase que proporcional a felicidade. E isso tem muito a ver com as nossas escolhas, coragem e felicidade estão de fato ligadas.

Estamos na incansável busca por aquilo que nos faz bem e na maior parte das vezes esbarramos no medo, o maior motivador de bloqueios que já existiu. Deixamos de dar um próximo passo por medo e isso nos torna tão frouxos!

Volte algumas casas desse jogo, alguns bons anos, vamos lá. Quando você ganhou sua primeira bicicleta, do que exatamente você se lembra? Eu me lembro de sentar logo no banquinho e querer sair pedalando. Eu sabia que poderia cair, mas a novidade me consumia tanto que eu pouco me importava. O mesmo aconteceu com o patins, com a minha primeira aula de ponta no ballet, e assim sucessivas tentativas que me deram medo mas também me consumiam pela novidade. Eu simplesmente ia, com medo mesmo.

Você pode e deve sentir medo. O medo nos dá limites, mas também nos motiva a ir além. Nos tornamos frouxos a partir do momento que deixamos o medo consumir nossas vontades, nossas novidades. E está ai a ligação com os #quase30! Quantas coisas deixamos de fazer por que simplesmente temos medo? E não digo somente do medo relacionado a questões afetivas, digo em relação à tudo.  Absolutamente tudo!

Fotografia: Gui Mira

O medo da mudança nos consome de uma maneira absurda. Não colocamos um ponto final em um relacionamento já desgastado e infeliz pelo medo de ficarmos sozinhos. Não mudamos de emprego por que temos medo dos desafios de um novo. Não deixamos de lado aquele caso, sabe? Que só faz mal por que o ego não permite a perda, e fundo é só o medo de perder e mais nada.

Não oficializamos uma relação amorosa por que temos medo de rótulos. Casar? O que é isso? O medo da responsabilidade não deixa. E decidir ter um filho? Um único filho, gente! Que mal tem isso? Ai trazemos a questão financeira à tona. E ter um segundo filho? Trazemos mais ainda a questão financeira à tona.

Todas as grandes decisões da nossa vida envolvem duas coisas: medos e desculpas! Frouxos ou não frouxos, o que nos diferencia de ambos é a maneira com que encaramos as decisões. Você tem que ponderar sim todas as suas decisões, mas ponderar significa colocar um olhar realista dos fatos.

E os #quase30 pesam um pouquinho mais por que todos os questionamentos vem à tona, todas as nossas dúvidas, nossa coragem, a falta dela, as indecisões, as certezas e principalmente nossas vontades. Se não for pedir muito, tenha medo, mas tenha coragem de tomar decisões. Não deixe que o medo e que os outros digam o que você deve ou não fazer.

Você pode ter o medo que quiser, mas não deixe que ele te domine a ponto de te fazer de frouxa e fantoche. Se tem uma coisa que essa boa idade traz além dos inúmeros questionamentos, são as certezas. Você já tem idade suficiente para saber o que não quer, e isso, já é um puta passo. Que você ache logo a coragem!

Juliana Manzato
Últimos posts por Juliana Manzato (exibir todos)

Juliana Manzato

Apaixonada por amor, cachorros, textos e coisas inspiradoras. Adora fotografia, mar, sol, doce de padaria, verão e olhar o céu azul. Esportista. Feminista. 80 porcentista. Irônica eu? Imagina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo