Que me tire desse temporal

Leia ouvindo: Tiago Iorc – Dia Especial

Não sei ao certo se eu gosto do Dia Internacional da Mulher. Apesar de saber da sua importância, histórica até, detesto essa mudança de chave. Venham, dia 08 de março é a falsa perfeição de sempre: ser gentil. É o dia dos eventos, de ser comemorado, cheio de detalhes e flores. Eu queria que todo dia fosse o dia 08 de março. Queria, porque na realidade não é.

Não é fácil nascer mulher, crescer mulher e finalmente ser uma delas. O lado bom a gente sabe, o lado ruim a gente não consegue encarar, olhar nos olhos e seguir em frente. O lado ruim tropeça na nossa vida a cada minuto, dentro de casa ou fora dela. E não pense você que isso é um discurso feminista, é apenas a realidade. Queira você ou não.

Queria que todos os dias alguém pudesse me tirar desse temporal. Quase todos os dias tem sol, mas saio inevitavelmente de guarda chuva, sempre chove. Chove crítica, chove falta de apoio, chove assédio (moral ou sexual), chove fragilidade, chove falta de oportunidade e chove silêncio em lágrimas. Chove cobrança, a nossa e como não poderia faltar, dos outros. Chove julgamento também, de homens e de outras mulheres. Chove agressões, verbais e físicas. Chove muito mais coisas que as vezes é melhor não comentar né? Não vai ser só um comentário, vai ser um grito preso na garganta. Gritos demais incomodam, olha só a ironia. Pega o guarda-chuva de novo.

55d11b19c52f886c0e86d9a8d6c82d4b

[ Imagem: reprodução ]

Queria que todos os dias alguém pudesse me tirar desse temporal. De novo. Alguém, homens ou mulheres. Sobram dedos apontados e falta apoio. Queria que alguém me oferecesse um guarda-chuva de proteção. – Vem cá! E nessa hora eu ganho um abraço apertado. Homens e mulheres, o nos falta é um pouco mais de humanidade. O que nos falta é empatia. O que nos falta é acolher melhor o outro.

Criaram essa história de sexo frágil e forte para dividir o que não precisa ser dividido. Estamos aqui para transformar, juntos. Utópico? Não acho. Acho sim que se cada um fizer aqueles 10% dos 100% que recebemos ao nascer já ajuda muito. Imagina só se aquele 1% não for vagabundo… (?)

Não é defender mulheres, é ser uma delas. Não é ser feminista, é ir atrás dos meus direitos e portanto, minha liberdade. Não é culpar os homens, é mostrar uma outra realidade. O mundo nunca vai ser perfeito, mas pode ser mais humano.

E nesse dia internacional da mulher eu não quero flores, palavras bonitas em uma mensagem ou um jantar romântico no final do dia. Eu só gostaria que as pessoas fossem mais humanas uma com as outras. Gentileza sempre gerará gentileza, isso independe do seu sexo ou credo.

Sejamos menos dedos apontados e mais abraços. Que a gente aprenda a ser guarda-chuva para as tempestades alheias e mais que isso, que a gente entenda que na real, o mundo é tão profundo que não dá pé para ninguém.

2015_Ju

Juliana Manzato
Últimos posts por Juliana Manzato (exibir todos)

Juliana Manzato

Apaixonada por amor, cachorros, textos e coisas inspiradoras. Adora fotografia, mar, sol, doce de padaria, verão e olhar o céu azul. Esportista. Feminista. 80 porcentista. Irônica eu? Imagina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo