Que vire confete

Já fiz tanto pelos outros e quase nada por mim. Já errei, perdoei. Fui embora, voltei. Escolhi ficar, ou simplesmente ir para lá. Já vivi tanto e sei que vou viver muito mais. Não quero ser perfeita, viver de padrões e só acreditar que dias bonitos são aqueles de céu azul, pelo contrário, quero mais é errar, aprender e depois errar mais, para aprender mais.

Nunca tive problema em pedir desculpas, assumir erros, me colocar no lugar do outro e me jogar – de penhascos à piscinas. Sempre tive pena de quem não consegue assumir algo ou pior, se assumir. Já entendi que não vou agradar todo mundo e que boa parte das pessoas estão interessadas no quê você pode oferecer, de finais de semana em iates à indicação profissional. Aprendi que fazer um “favorzinho” ou “quebrar um galhão” é só para amigos – bem próximos, e que sociedade em uma empresa, só se for com cnpj’s diferentes.

5056
{ Imagem reprodução }

Aprendi a me abrir em palavras e rasgar o coração um pouco por dia. Não me decepciono mais, não consigo chorar com tanta frequência e o “foda-se” é o melhor botão que a gente mesmo pode inventar. Você não precisa gostar de mim, da minha vida, minha família, das roupas que uso ou as pessoas que ando. Não preciso de elogios ou de críticas.

Serião, viver a minha vida já dá um baita trabalho, saber o quê você pensa dela não muda nada.

Todos as noites, antes de dormir eu rezo. Rezo para agradecer, esclarecer e pedir. Pedir para todas as coisas ruins virarem confete e irem embora junto com o vento. Isso, rezo para a minha tristeza virar a alegria de alguém, porque entendi que sorriso no rosto é necessário todo santo dia.

Quero aquela gargalhada mais alta, o sorriso mais gostoso, o abraço mais apertado, o sono mais tranquilo, o travesseiro mais macio, beijo roubado, ficar do lado, viver ao quadrado, amar de verdade, olhar com claridade. Quero que dias felizes durem a minha eternidade. Quero colorido, flores, amores, almoços em família, banhos de cachoeira, mergulho de mar, biscoito de polvilho, pipoca na manteiga, brigadeiro de colher, colo de mãe e beijo de avó. Quero viver o simples com as pessoas que me amam e que eu amo, porque se a vida é uma troca, que ela seja de coisas boas e amor.

Que tudo aquilo que realmente for ruim vire confete para enfeitar o nosso Carnaval diário.

Que tudo de mal que desejarem vire confete, porque para quem me deseja o mal, eu desejo cor e amor.

Assinatura_Ju

 

Juliana Manzato
Últimos posts por Juliana Manzato (exibir todos)

Juliana Manzato

Apaixonada por amor, cachorros, textos e coisas inspiradoras. Adora fotografia, mar, sol, doce de padaria, verão e olhar o céu azul. Esportista. Feminista. 80 porcentista. Irônica eu? Imagina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo