Quem é Claudinha?

Leia ouvindo: AC/DC – Hells Bells

Coração que gosta, cuida. E dar uma bela stalkeada de vez em, sempre, faz parte. Que mal há nisso, ué?

Você conhece um cara legal, sai com ele, as coisas estão evoluindo, já é natural conhecer amigos, sair em turmas, demonstrar pequenos carinhos em redes sociais e consequentemente criar algumas pulgas atrás da orelha. Nessa fase inicial de relacionamento a gente quer mesmo saber quem é quem, afinal, o radar não costuma falhar. Ainda mais em épocas de google e redes sociais.

Tudo parece bem, até que surge um like tímido e desconhecido naquela foto dele. Quem é porra da @claudinha_fada? Você respira fundo e acha melhor não ativar o seu lado stalker, afinal, o que você ganharia com isso? Misericórdia! De repente você está no google, no facebook, no tinder, no snapchat e até na lua, levantando a ficha da Fada, quer dizer Claudinha.

A pobre pulga atrás da orelha vira um elefante, e você – em poucos minutos – já descobriu um histórico de likes trocados e já começa a criar aquelas histórias malucas dentro da sua cabeça. Você respira de novo. Não há de ser nada. Você volta para a sua pilha de trabalho, o seu dia precisa render. No elefante você dá um jeito depois, por enquanto deixe ele de canto e corte o alimento. É preciso apurar direito essa história.

A noite o cara legal te liga e fez um convite inesperado de jantar no meio da semana – fofo. Você ainda não se resolveu com o elefante, mas já deixou ele com suas amigas – que dizem ser algo “natural”. Natural, o nariz! Porque quando é com elas, você dá o maior apoio e stalkeia junto. Não sei porque nessas horas uma mulher quer mostrar para outra que equilibra perfeitamente a pulga atras da orelha x a @claudinha_fada. Sejamos sinceras, somos todas stalkers, gente!

Stalker

[ Bey, maravilhosa! É das nossas <3 – Imagem: reprodução ] 

Mas voltando ao jantar, tudo vai bem – como já estava. De repente ele pega o celular para responder alguma coisa – qualquer coisa, e a @claudinha_fada dá um rasante bem na sua cabeça, e traz com ela o elefante em formato de pulga atrás da orelha. Eu não vou falar. Eu vou falar. Eu não vou falar. Eu vou falar. Respira.

– Quem é Claudinha?

Porra! Você não tinha que ter perguntado. você não tinha que ter perguntado. Perai culpa, alto lá, se a relação está evoluindo e a Claudinha surgiu de um like qualquer, eu posso sim perguntar. Não existe mal nenhum em saber quem é a fulana que anda curtindo as fotos do cara que você está junto.

A reação dele é a mesma de qualquer outro cara, uma explicação simples: amiga. Você respira, não aliviada. Amiga você sabe que ela é, tá lá no facebook e no instagram. A real história da Claudinha, você nunca vai saber. E sinceramente, acho que não precisa. Por mais controladora que a mulher seja, não existe nada melhor do que a consciência tranquila – e de preferência, sem a Claudinha nos pensamentos. Like por like todo mundo dá, até você!

Em épocas de rede social estamos sujeitos a desconfiar de tudo e todos que se aproximam. Ainda mais com tantos casos de traição ou tentativas de pulada de cerca pelas redes. Tanto de homens, como mulheres, viu? É necessário um tanto de paciência e outro bocado de auto controle para a pulga atrás da orelha se tornar um elefante, mas não virar pêlo em ovo. Se já somos neuróticas às vezes, que sejamos sensatas na maior parte do tempo.

Aos meninos, fiquem tranquilos! Continuaremos stalkeando e perguntando durante jantares aleatórios no meio da semana quem é Claudinha, Joana, Mariana, Fernanda, Vanessa, Juliana, Carolina, Maria, Fulana, ciclana, beltrana…

Stalkear é uma arte. Nos dias de hoje faz parte!

2015_Ju

Juliana Manzato
Últimos posts por Juliana Manzato (exibir todos)

Juliana Manzato

Apaixonada por amor, cachorros, textos e coisas inspiradoras. Adora fotografia, mar, sol, doce de padaria, verão e olhar o céu azul. Esportista. Feminista. 80 porcentista. Irônica eu? Imagina.

4 comentários em “Quem é Claudinha?

  1. O pior é quando o elefante atras da orelha incomoda tanto e acaba com o que deveria ser bom. A gente tenta viver sem dar aquela stalkeada, mas é impossível. Deveria ter nascido na época em que exixtiam relacionamentos sem redes sociais rsrs.

  2. Muitooooooooo perfeito! Eu me vi neste texto! kkkk Mais estou tentando melhorar! Parabéns! Beijos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo