Sobre o que nos prende ao que não nos pertence

Leia ouvindo: Florence and The Machine – Never Let Me Go

O paradoxo mais tangível entre fraqueza e força talvez se encontre na vontade que temos em nos prender naquilo que já não nos pertence mais. Ou nunca pertenceu.

Somos confrontados desde muito cedo com as ideias contrárias de “o que tiver de ser, será” e “se você quer, faça acontecer”, e quando chega a hora de optar por uma delas no campo dos sentimentos nós simplesmente não sabemos ao certo qual delas escolher. Acontece que o erro está justamente em um só conceito: se é amor de verdade, não há escolha. Ele vai acontecer sem você precisar optar.

Aquilo que faz sofrer e te desgarrar provavelmente não é amor. E provavelmente não te fará bem. Não é que não haja esforços envolvidos nos relacionamentos, claro que há, mas até os esforços são feitos naturalmente, sem dor. Há renúncia, não há drama. Amor implica leveza.

8012

[ Imagem: reprodução ] 

Volta o paradoxo entre ser fraco e ser forte. Seguramos com força máxima o que não nos pertence porque somos fracos demais para admitir desde o início que aquilo nunca foi nosso. Talvez por frustrações do passado, quem sabe pela negação de assumir para si mesmo, pela milésima vez, que deu tudo errado. Somos fracos demais para deixar pra lá e fortes demais para nos atermos às cordas daquilo que deixou de ser hipótese fatídica e passou a ser ideia fixa na imaginação.

O que é pra ser nosso não vai exigir que a gente sangre, perca o equilíbrio e atinja insanidade. Vai exigir, sim, que você faça acontecer, mas preparando seu próprio território corporal – mente, pele e coração – para o que finalmente vale a pena. O que é pra ser nosso nos faz parar de enlouquecer na procura pela paz interior: nos faz começar a vivê-la sem ao menos perceber que iniciamos o caminho.

Amor não dói. O que dói é pregar-se às expectativas do que deveria ter sido e não foi, não é. Não se prova amor pelo quanto se doeu na perda. Se prova amor pelo quanto se doa na presença e continuidade.

Assinatura_Bia

Bianca Carvalho
Últimos posts por Bianca Carvalho (exibir todos)

Bianca Carvalho

Uma carioca branquela, bagunceira e desbocada. Uma mulher questionadora, inquieta e expansiva. Uma amante do mundo, dos cachorros e de pessoas apaixonadas pela vida.

5 comentários em “Sobre o que nos prende ao que não nos pertence

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo