Sobre os caras que tive | Coração fechado

Leia ouvindo: Norah Jones – She’s 22

Eu já bati a porta na cara do amor. Logo eu, que mais acredito nesse sentimento e sou apaixonada por ele. Acontece com todo mundo, e comigo não foi diferente.

Depois que alguns anos passam, a gente percebe que não adianta levar aquilo que não faz o coração bater mais forte. É, forçar a barra, investir em um relacionamento que não vai acontecer, fingir gostar de alguém que não está nos seus pensamentos ao acordar e assim segue a catastrófica tentativa de gostar de alguém que você nunca esteve tão afim. Acho triste pensar como alguém faz isso, mas eu já fui esse alguém e ele, o cara que estava comigo, sofreu. O problema nunca foi ele, fui eu. Clichezão que cai como uma luva todas as vezes que lembro da nossa história.

Aceitei o namoro por que não tinha como escapar, os amigos, a família e a situação em si. Todos os dias eu acordava com o coração apertado, ele era um cara muito legal, mas não para mim. Às vezes é assim, todas as qualidades que procuramos em alguém está justamente naquele que não te dá um pingo de frio na barriga.

{ Imagem reprodução }
{ Imagem reprodução }

Não consegui levar a situação por muito tempo, estava passando por uma fase difícil, dúvidas, miúdos que pingavam na minha cabeça e logo transbordaram o meu copo já cheio. O término doeu, mas não consegui derrubar uma lágrima por ele. Estado de choque me definiu bem, falta de sentimento também.

Errei com ele, tentei me desculpar em vão. Coração quebrado não se pega com a mão. Levei por um tempo a culpa comigo, para depois abandoná-la em uma esquina qualquer. Todo mundo erra.

Aprendi com ele que é preciso olhar para alguém mais de uma vez para se apaixonar. Que o frio na barriga e coração disparado são os primeiros sinais que devem ser levados em consideração e se continuarem pelos próximos encontros, a felicidade pode estar ali na frente. Caso nada disso aconteça, um beijo de despedida e nada mais. Peso só serve para segurar papel. Amor é leve.

Sobre esse cara que tive, não falo mais, encontro vez ou outra e tenho absoluta certeza que apesar de todo o sofrimento que causei, foi melhor assim. Cada um para o seu lado, arrumando o seu canto e catando os próprios cacos. Foi melhor ter pego a contra mão.

Ele foi o meu mais sincero “foi melhor assim”.

Assinatura_Ju

Juliana Manzato
Últimos posts por Juliana Manzato (exibir todos)

Juliana Manzato

Apaixonada por amor, cachorros, textos e coisas inspiradoras. Adora fotografia, mar, sol, doce de padaria, verão e olhar o céu azul. Esportista. Feminista. 80 porcentista. Irônica eu? Imagina.

8 comentários em “Sobre os caras que tive | Coração fechado

  1. Duas dores profundas. A primeira, daquele que se relaciona com alguem, sem gostar da pessoa, apenas para prencher um vazio, e a segunda, daquele que se envolve e nao é correspondido. Porém, pra mim, a primeira é pior: deixar uma pessoa se envolver, quando nao se esta afim, as vezes, chegava ser cruel! Parabéns, ju! Excelente texto! Vc nasceu para isso: para escrever! Escreve com uma sutileza, uma leveza, uma facilidade, uma naturalidade, que prende o leitor!

    1. Oi Xará,

      Que delícia de comentário. Fico feliz que tenha gostado do texto e que goste do meu estilo de escrita.
      Ganho meu dia com carinhos assim.

      Super beijo!

  2. Excelente texto. Acho que todos já passaram por uma situação assim.

    1. Oi Barbara,

      Obrigada pelo carinho! Com certeza toda mulher já teve o coração fechado.

      Beijos

  3. Olá! Durante minhas idas e vindas na internet, encontrei vcs.

    Belíssimo texto. Quando me deparei com ele reconheci a situação que eu estava passando com a garota por quem me apaixonei. Estivemos juntos durante um tempo e, do nada, ela me pediu um tempo para colocar as idéias no lugar. No fundo, todos sabemos o que significa pedir um tempo. Para mim, tudo estava indo bem, então não teria qualquer lógica esse pedido. Aquilo me desmontou completamente, fugindo totalmente da minha compreensão, mas o que mais eu poderia fazer além de aceitar? Mesmo escutando dela que, se for para ser, um dia a gente se bate por aí, era perceptível que as coisas não aconteceriam exatamente desta forma. Continuo aqui juntando meus cacos e com aquela tola esperança de um dia reencontrá-la. Vai que consegui plantar uma semente em seu coração e o “cara muito legal” pode se tornar algm especial para ela? Enquanto isso, me pego desenhando os sorrisos dela toda vez que fecho os olhos. Mulheres devoradoras de corações românticos e sonhadores. Um dia, quem sabe…

    1. Oi Pedro,

      É sempre bom saber que tem homens que lêem o blog.
      Obrigada pelo carinho!

      Beijos

  4. Oi Ju! Eu sei que você só escreve e não tem que dar conselho a ninguém, mas no momento não sei a quem recorrer. Eu estou em um relacionamento com um cara há 3 meses, mas começamos exatamente como você sitou acima, por amigos, família e eu não consegui dizer não. Acordo pesada todos os dias porque tenho certeza de que não gosto tanto dele quanto ele gosta de mim, meu medo é de perder e começar a dar valor depois. Não sinto borboletas nem nada do tipo. O quão preocupada eu devo ficar? Não quero magoar ele. Aceito todos os tipos de conselho.
    Beijos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo