Sobre os caras que tive | Eu fazia planos

Leia ouvindo: Snowship – Benjamin Francis Lefrwich

Ser independente demais atrapalha, principalmente quando estamos falando de caras acomodados – que no meu mundo costumo chamá-los carinhosamente de “bolhas”. São caras que vivem no mundo deles, egoístas natos e com um mundo paralelo girando em torno deles. Acho que toda mulher já teve um cara assim, comigo não foi diferente.

Começo de relacionamento é incrível, a gente gosta de defeitos, vê inúmeras qualidades, faz de tudo para dar certo, afinal, a gente sempre acha que o amor está ali, bem na nossa frente. Na maioria das vezes não é amor, é qualquer outra coisa.

Com ele foi tudo, menos amor. Tentei inventar o amor: uma relação estável, finais de semana juntos, ligações para saber como foi o dia, rotina bonita de qualquer relacionamento normal. Me esqueci que não dá para existir amor com gente egoísta, que se acomoda a cada passo que se dá e que principalmente, acha normal não demonstrar afeto.

Existiu um curto período que me alimentei de farelos e achei suficiente. Não, amor não é farelo e nem é suficiente. Amor é cheio, é pão inteiro, exagero. Escolhi viver isso para nunca mais. Demorei para perceber que ele nunca foi bom o suficiente para mim, que tudo aquilo que inventei, inclusive o amor por ele, não passou de uma fuga. Fugi para o mundo que eu achava que era feliz. Entendi porque nunca consegui pronunciar um “eu te amo” e porque ele fugia do meus olhos em qualquer momento mais sério.

{ Imagem reprodução }
{ Imagem reprodução }

Ele nunca foi amor. Pode até parecer triste isso, mas hoje é alívio. Não entreguei o sentimento mais bonito que tenho para alguém que se acomodou no sentimento que eu criei. Meu sentimento foi invenção, tentativa. Hoje diria de cara limpa e coração aberto para ele: nunca te amei. Graças à Deus, por mim e por ele. Ele não merecia tanto de mim.

Apostei algumas fichas, o tempo de relacionamento foi médio e quase nenhum contato com a minha família. Um porre com meus melhores amigos foi o suficiente para enxergar que aquilo não era para mim. Terminar algo nunca é fácil. Eu também me acomodei. Me acomodei numa rotina, esbarrei numa coisa legal aqui e outra ali. Pensei: “Sozinha de novo?”.

Não teve jeito, eu era muito mais do quê aquilo tudo.

Foi melhor assim. No fundo, a gente sempre sabe que vai ser melhor e que o tempo perdido é aprendizado. Aprendi a não me alimentar de migalhas, porque eu me basto de amor. Amor próprio e para entrega. Ainda tenho fichas para apostar e tentativas para fazer. Sem pressa eu analiso o jogo da vida e vejo onde vai ser a próxima investida.

Sobre esse cara que tive, a minha gratidão. Obrigada por me ensinar que amor de verdade a gente vive com aqueles de coração aberto, sentimento à flor da pele e sorriso no rosto. Torço para que você perceba que dar amor não faz mal, que relacionamentos não foram feitos para gente acomodada e que sinceramente, você precisa abrir os braços e se entregar mais para a vida. Saia da sua bolha e vai ser feliz. Obrigada por ter sido o meu maior aprendizado sobre amor. Quem perde não é aquele que não sabe dar amor, é quem não sabe receber.

Assinatura_Ju

Juliana Manzato
Últimos posts por Juliana Manzato (exibir todos)

Juliana Manzato

Apaixonada por amor, cachorros, textos e coisas inspiradoras. Adora fotografia, mar, sol, doce de padaria, verão e olhar o céu azul. Esportista. Feminista. 80 porcentista. Irônica eu? Imagina.

7 comentários em “Sobre os caras que tive | Eu fazia planos

  1. M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O, amei de uma maneira incrível esse texto, me descreveu completamente em um momento em que eu procurava respostas. Obrigada!!!!!

  2. Quem ama cuida…basta olhar nos olhos para perceber se está tudo bem ou não…nem precisa perguntar…não pergunta se quer uma massagem..pega o creme, dá um sorriso e faz…não pergunta se quer o café na cama…acorda cedo, escova os dentes, limpas as remelas, prepara o café, pega uma flor roubada no jardim do prédio e fica esperando ela abrir os olhos, depois que ela sentir o buque das flores junto com o aroma do café fresquinho e diz para: Bom dia meu amor 🙂

    1. hahahaha

      Na verdade, acho que tivemos bolhas nas nossas vidas!!!!

      Grazadeus que passou! <3

      Beijos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo