Vai rolar bundalelê!

Então é carnaval, e o que você fez?
Beijou 48 meninas em uma única festa? Saiu de casa com o objetivo de dar para o primeiro cara que aparecesse na sua frente? Sambou loucamente com roupas minúsculas que valorizavam o colo do seu útero? Bebeu até cair no primeiro dia de festa e depois ficou de ressaca o resto do feriado?

Tudo bem, não te julgo, você tem que se divertir do jeito que achar mais legal mesmo, mas a minha pergunta é: o que sobra depois disso tudo? O que você tem pra contar para a posteridade quando chega a quarta-feira de cinzas?

Vazio. Este é o sentimento que impera quando eu, por exemplo, fico por ficar com alguém. Sinto que perdi tempo precioso vivendo mentiras, me doando para uma pessoa que sequer lembrará meu nome no dia seguinte. Mas este é o MEU JEITO de lidar com isso. Talvez você esteja lendo tudo isso e me xingando de VELHA COROCA por dentro. Tudo bem.

O que eu quero dizer com tudo isso? Não importa o que você faça, ou qual postura você decida assumir. O que realmente interessa é que você tenha plena consciência dos teus atos, e das conseqüências.

Quer ‘apertar o foda-se’ e curtir cada dia como se fosse o último? Vai lá campeão! Mas faça com consciência e responsabilidade.

Vivemos o festival da ignorância – o reflexo da miséria cultural, intelectual e afetiva que nos afeta. Tudo que importa hoje, basicamente, são os números, as quantidades e a popularidade.

As festas estão cheias, as bebidas e as drogas são cada vez mais consumidas, o lema ‘ninguém é de ninguém’ é um verdadeiro sucesso. Mas, quando tudo isso acaba, e estamos sozinhos no nosso quarto, ficamos frente a frente com o nosso maior inimigo: nós mesmos.

Será, que no fundo, essa pessoa aí de dentro aprova tudo isso?
Não perca a oportunidade de saber se sim.
Não se deixe enganar.
Últimos posts por admin (exibir todos)

admin

3 comentários em “Vai rolar bundalelê!

  1. Somente torna-se inimigo quando sua conclusão é ter sido uma mentira pra si mesmo. Por isso mesmo, prezar pela verdade – independentemente do contexto – acaba sendo o mais importante, sempre.

    Ótimo texto bonita. Um beijo…!

  2. A resposta está nos consultórios de terapia lotados até a boca com pessoas carentes e solitárias. Embora sempre estejam em festas, sempre estejam “com alguém” e sempre estejam acompanhadas. Sofrem de solidão, cercadas de pessoas.

  3. Muita coisa só passa a fazer sentido na nossa vida quando a gente se da conta que nosso pior inimigo (e também melhor amigo) habita dentro da gente. A vida no final das contas não é baseadas nas suas escolhas, e sim como você lida com as consequências vindas dessas escolhas. 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo