Vida é viver, vida é amar

Leia ouvindo: Holger – Me leva para nadar 

Quanta gente parte sem saber o gostinho de viver livremente. Quantas pessoas se privam de aventuras, delícias da vida, pelo medo de fazer feio aos olhos alheios. Quanta pose, quanta hipocrisia. A quanta besteira essa gente se prende.

Não é de hoje, a arte é milenar. É preciso, mesmo, saber viver. Clichê, mas verdade: a vida é curta. Ontem mesmo eu tinha 15 anos e chorava ao som de boy bands por aquela boba desilusão amorosa. Amanhã mesmo completo três décadas e regulo minhas lágrimas às batalhas que realmente merecem o choro.

Num geral, escolho pessoas a dedo, mas também me jogo ao acaso de conhecer mais um monte delas. Que vida tão sem graça aquela de quem nunca se deu o luxo de colecionar amigos, histórias, fotografias, viagens. De que vale ser presenteado com o prazer de viver se você vive sem o prazer?

Texto Bia

[ Imagem: reprodução ]

Olhe para as pessoas mais velhas que você tem em volta e dê ouvidos, de verdade, aos conselhos que elas te dão. Essas pessoas podem não ter vivido as mesmas coisas que a gente, a mesma época que a gente, mas podem ter carregado histórias ainda mais sofridas e tombos ainda mais altos. Aquela máxima de que a gente só aprende a viver vivendo não poderia ser mais pura e simples.

No meio de tudo isso, é preciso, principalmente, aprender a amar. O amor às vezes dá medo, causa dores e deixa buracos. Mas quando a gente sente o amor… Ah, o amor… Não há viver que se sustente sem o amar. Não há vida mais gostosa do que aquela em que a gente se entrega de coração aberto ao que nos faz sentir. Acho que o amor exige sabedoria, mas não funciona se não houver uma pitada de loucura.

Tanta gente parte sem saber o gostinho de amar livremente. Tantas pessoas se privam de noites de amor, beijos no meio da rua, pelo medo de fazer feio aos olhos alheios. Quanta pose, quanta hipocrisia. As melhores coisas da vida perde essa gente…

Bianca Carvalho
Últimos posts por Bianca Carvalho (exibir todos)

Bianca Carvalho

Uma carioca branquela, bagunceira e desbocada. Uma mulher questionadora, inquieta e expansiva. Uma amante do mundo, dos cachorros e de pessoas apaixonadas pela vida.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo